Ferreyra: "Precisava de experimentar uma Liga melhor num grande clube"

O avançado argentino (ex-Shakhtar) foi oficializado como reforço do Benfica para as próximas quatro épocas

Facundo Ferreyra foi oficializado esta quarta-feira como reforço do Benfica, tendo assinado contrato válido por quatro temporadas. Após cumpridas todas as formalidades o jogador foi mesmo assistir ao quinto jogo do play-off do campeonato de basquetebol entre o Benfica e o FC Porto.

"É um grande desafio. Quando me falaram do Benfica, não duvidei da minha decisão apesar de estar bem na Ucrânia. Jogava todos os jogos, marcava golos, estava feliz, mas precisava de experimentar uma Liga melhor num grande clube e, por isso, decidi vir para o Benfica pois vai ser um teste para mim", assumiu o jogador de 27 anos ao site oficial dos encarnados.

Ferreyra disse ainda acompanhar o Benfica "desde jovem devido a todos os futebolistas argentinos" atuaram de águia ao peito. "É um sonho poder estar agora neste clube por onde passaram grandes jogadores", disse, garantindo que se trata de um clube "muito conhecido na Argentina".

O avançado mostrou-se convencido de que irá adaptar-se "rápido à equipa, ao estilo de jogo e aos colegas", embora admita que é "uma mudança de 100%", tendo em conta aquilo que estava habituado na Ucrânia.

Ferreyra deixou ainda que a adaptação a um novo idioma não será problema e explicou porquê: "Compreendo tudo porque no Shakhtar jogava com oito brasileiros e o Paulo Fonseca [treinador] é português. Era mais fácil aprender português do que russo. O idioma não vai ser um problema. Sei falar um pouco, mas quero aprender. Sei dizer bom dia, boa noite, tudo bem... o básico."

A terminar deixou uma certeza aos adeptos: "Quero marcar golos, ajudar a equipa, sacrificar-me porque é difícil marcar golos em todos os jogos. O importante é ajudar a equipa, manter a posse de bola, criar jogadas. Gosto muto de marcar golos de cabeça, fazer movimentações sem bola e criar oportunidades."

Facundo Ferreyra foi apresentado aos adeptos no pavilhão da Luz, antes do jogo de basquetebol, a que assistiu ao lado do treinador de hóquei em patins, Pedro Nuno.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.