Ferreyra: "Precisava de experimentar uma Liga melhor num grande clube"

O avançado argentino (ex-Shakhtar) foi oficializado como reforço do Benfica para as próximas quatro épocas

Facundo Ferreyra foi oficializado esta quarta-feira como reforço do Benfica, tendo assinado contrato válido por quatro temporadas. Após cumpridas todas as formalidades o jogador foi mesmo assistir ao quinto jogo do play-off do campeonato de basquetebol entre o Benfica e o FC Porto.

"É um grande desafio. Quando me falaram do Benfica, não duvidei da minha decisão apesar de estar bem na Ucrânia. Jogava todos os jogos, marcava golos, estava feliz, mas precisava de experimentar uma Liga melhor num grande clube e, por isso, decidi vir para o Benfica pois vai ser um teste para mim", assumiu o jogador de 27 anos ao site oficial dos encarnados.

Ferreyra disse ainda acompanhar o Benfica "desde jovem devido a todos os futebolistas argentinos" atuaram de águia ao peito. "É um sonho poder estar agora neste clube por onde passaram grandes jogadores", disse, garantindo que se trata de um clube "muito conhecido na Argentina".

O avançado mostrou-se convencido de que irá adaptar-se "rápido à equipa, ao estilo de jogo e aos colegas", embora admita que é "uma mudança de 100%", tendo em conta aquilo que estava habituado na Ucrânia.

Ferreyra deixou ainda que a adaptação a um novo idioma não será problema e explicou porquê: "Compreendo tudo porque no Shakhtar jogava com oito brasileiros e o Paulo Fonseca [treinador] é português. Era mais fácil aprender português do que russo. O idioma não vai ser um problema. Sei falar um pouco, mas quero aprender. Sei dizer bom dia, boa noite, tudo bem... o básico."

A terminar deixou uma certeza aos adeptos: "Quero marcar golos, ajudar a equipa, sacrificar-me porque é difícil marcar golos em todos os jogos. O importante é ajudar a equipa, manter a posse de bola, criar jogadas. Gosto muto de marcar golos de cabeça, fazer movimentações sem bola e criar oportunidades."

Facundo Ferreyra foi apresentado aos adeptos no pavilhão da Luz, antes do jogo de basquetebol, a que assistiu ao lado do treinador de hóquei em patins, Pedro Nuno.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.