Ederson e Lindelof 'só' renderam 39 milhões de euros

Os dois negócios atingiram 75 milhões de euros, mas pouco mais de metade entrou nos cofres da Luz

As vendas do guarda-redes brasileiro Ederson, para o Manchester City, e do central sueco Lindelof, para o Manchester United, foram os dois principais negócios do Benfica no último verão, com transferências anunciadas por valores que, em conjunto, atingiram os 75 milhões de euros: 40 no caso do guarda-redes e 35 no caso do defesa.

No entanto, desse montante, pouco mais de metade (39 milhões) entrou efetivamente nos cofres da Luz, segundo o relatório e contas consolidado e individual referente à época 2016/17, enviado agora pela SAD do Benfica à CMVM.

Ederson acabou por gerar apenas um encaixe de quase 16 milhões de euros, apesar da transferência por 40 milhões para o Manchester City, pois Rio Ave e Gestifute detinham metade da mais-valia do negócio.

No caso de Lindelöf, transferido para o Manchester United por 35 milhões, só 23 milhões foram para o Benfica, que meses antes dera 3,5 milhões para comprar ao clube sueco Vasteras os 20 por cento da mais valia relativa à venda do jogador.

Além destas duas transferências do último verão (a de Nelson Semedo para o Barcelona já foi efetuada após o dia 30 de junho e, por isso, já só entra no relatório e contas da temporada atual), o documento enviado pelos encarnados à CMVM mostra ainda que a venda de Gonçalo Guedes, em janeiro, ao Paris Saint-Germain, foi a mais lucrativa da época passada, pois rendeu ao Benfica 26,032 milhões de euros dos 30 pelo qual foi anunciada a transferência.

Outras vendas 2016/17:

Hélder Costa (Wolverhampton) - rendeu 12,978 dos 15 milhões da transferência
Sidnei (Corunha) - rendeu 6,025 dos 6,5 milhões da transferência
André Gomes (Bercelona) - rendeu 3,737 dos 4,320 da mais valia da transferência do Valência para o Barcelona
Marçal (Lyon) - rendeu 3,867 dos 4,5 milhões da transferência
Nélson Oliveira (Norwich) - rendeu 3,363 dos 3,5 milhões da transferência relativa a 70 % do passe