Dúvidas sobre a idade de Renato Sanches valem processo

Carlos Severino levantou dúvidas sobre se o médio do Benfica terá 18 anos. Renato Sanches e Jorge Mendes vão processá-lo

Renato Sanches prepara-se para processar o ex-candidato à presidência do Sporting Carlos Severino, por alegadamente ter levantado dúvidas num programa de televisão sobre a idade do médio, de 18 anos, que se estreou como titular do Benfica no jogo da passada quarta-feira com o Astana, no Cazaquistão, na Liga dos Campeões.

Ao que o DN apurou, o representante do jogador desde os iniciados, o empresário Jorge Mendes, deu ordens a um dos seus advogados para avançar com um processo-crime em tribunal, por difamação, assim que tomou conhecimento das declarações de Carlos Severino à CMTV. O ex-candidato às últimas eleições do Sporting considerou nesse programa que "Renato Sanches é um excelente jogador, mas está muito vitaminado para a idade", acrescentando que "para os 18 anos que dizem que tem apresenta-se com uma boa musculatura".

O comentador reconheceu no programa saber que o médio nasceu em agosto de 1997, em Lisboa, tendo acrescentado: "Não sei se há truque, mas eu pus uma foto do Renato Sanches à frente do meu filho, que tem 12 anos, e ele disse-me que tem para aí uns 28 ou 30 anos."

Ao DN, Carlos Severino disse não estar preocupado com o processo de que poderá ser alvo por parte do empresário do jogador. "Nunca pus em causa que o Renato Sanches tivesse 18 anos, apenas disse que está muito desenvolvido para a idade", adiantou o comentador televisivo, recordando que apenas disse que o jogador do Benfica "deve ter tomado muitas vitaminas" e "que o achava fisicamente muito desenvolvido para idade"

Saiba mais pormenores na edição impressa ou e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

adoção

Técnicos e juízes receiam ataques pelas suas decisões

É procurador no Tribunal de Cascais há 25 anos. Escolheu sempre a área de família e menores. Hoje ainda se choca com o facto de ser uma das áreas da sociedade em que não se investe muito, quer em meios quer em estratégia. Por isso, defende que ainda há situações em que o Estado deveria intervir, outras que deveriam mudar. Tudo pelo superior interesse da criança.