Da Musgueira ao Benfica em 15 minutos

Começou no clube que se orgulha de "tirar miúdos das barracas". Quis deixar o futebol por não gostar de levar pancada nos jogos

Renato Sanches tornou-se, em Astana, no quarto futebolista mais jovem de sempre do Benfica a jogar nas provas da UEFA. Com 18 anos, oito meses e oito dias, o médio cumpriu um sonho de menino, como o próprio revelou no final da partida da Liga dos Campeões, que terminou empatada 2-2.

Numa altura em que os encarnados decidiram apostar nos jovens da formação, Renato Sanches fez, tal como Gonçalo Guedes, todos os escalões jovens do Benfica. No entanto, foi no modesto Águias da Musgueira que deu os primeiros pontapés na bola, aos oito anos.

"O Renato morava perto do nosso complexo desportivo e andava sempre por aqui. Um dia desafiei-o a treinar connosco", conta ao DN o presidente do clube lisboeta, António Quadros. Foi o início do percurso de um atleta que o dirigente diz ser "uma pérola negra".

O seu talento inato fez com que, ainda com idade para jogar nas escolinhas, passasse para os infantis. Mas não foi fácil manter aquele menino no clube. "Ao princípio, ele irritava-se porque não gostava que lhe dessem sarrafada. Vinha ter comigo e dizia que não queria jogar mais", revela António Quadros, que o tentava sempre acalmar. "Dizia-lhe que tinha de ter calma e ele lá voltava a jogar", revela "orgulhoso" por ver que aquele miúdo "cheio de energia" jogar na equipa principal do Benfica aos 18 anos.

Leia mais na edição impressa e no epaper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.