Chineses do Beijing Guoan na Europa para tentar Jonas

Nono classificado da última edição da liga chinesa está no velho continente atrás de reforços e tem o avançado das águias brasileiro como prioridade, tal como o compatriota Lucas Moura

O Beijing Guoan quer fortalecer o ataque aproveitando a vaga para estrangeiros deixada em aberto com a saída do médio brasileiro Ralf, e enviou uma delegação à Europa para, em conjunto com o empresário brasileiro Ricardo Mello, observar jogadores e tomar decisões no que concerne a contratações.

De acordo com o portal canarinho UOL, Jonas é um sonho antigo do emblema chinês e já terá sido sondado por duas vezes no passado. Segundo apurou o site, os dirigentes do clube de Pequim terão mesmo reunido com homólogos do Benfica na semana passada, para tentar a contratação do avançado de 33 anos já em janeiro. Contudo, nada ficou definido e as conversações poderão apenas ser retomadas quando a equipa asiática estiver em Portugal, a partir de 4 de janeiro, para fazer a pré-época, que vai decorrer na Cidade do Futebol, em Oeiras.

"Se chegar alguma coisa, teria de ser muito boa, caso contrário, ele não sai do Benfica. Ele tem um contrato interessante e pensa até em terminar a carreira no Benfica. O Beijing Guoan não costuma fazer proposta muito mirabolante, não fogem do que podem. Foi o que aconteceu em janeiro. Se for assim, não teria negócio", afirmou o agente e irmão do jogador, Tiago Gonçalves.

Depois de visitarem Lisboa, os representantes do emblema chinês passaram por Paris e perguntaram ao PSG quais as condições para libertar o atacante Lucas Moura, alternativa ao avançado futebolista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.