Andre Carrillo vai receber dois milhões por ano na Luz

O valor é líquido e diz respeito ao contrato por cinco épocas que o extremo peruano do Sporting rubricou ontem, que contempla ainda um prémio de assinatura de 2,5 milhões

Andre Carrillo vai ser jogador do Benfica a partir da próxima época. O extremo de 24 anos, que está em final de contrato com o Sporting, assinou ontem de manhã contrato com os encarnados válido até 30 de junho de 2021, que contempla um salário de dois milhões de euros líquidos e ainda um prémio de assinatura de 2,5 milhões de euros.

O jogador chegará à Luz a custo zero (na mudança de clube), tendo agora o Benfica cinco dias para informar o Sporting do compromisso com o jogador, cumprindo assim a regulamentação da UEFA. O DN sabe que a carta seguirá para Alvalade dentro do prazo, pois o Benfica quer evitar problemas legais com os leões. Refira-se que Octávio Machado, diretor-geral do Sporting, disse que, a confirmar-se a transferência, "há prerrogativas que têm de ser cumpridas", que se prendem com a informação ao clube a que ainda pertence.

Ao que o DN apurou, o processo precipitou-se nos últimos dias, depois de Carrillo ter tido em mãos uma proposta do Atlético de Madrid, através do empresário Jorge Mendes. Aliás, o jogador até esteve na capital espanhola nesta semana, mas a entrada em cena do empresário Paulo Barbosa e a vontade de Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica, mudaram tudo.

A primeira reunião realizou-se na quarta-feira à hora do almoço, quando Vieira e Carrillo foram vistos a entrar no mesmo prédio, onde Paulo Barbosa tem um apartamento. As fotografias de ambos no local foram publicadas nas redes sociais, tendo fonte oficial do Benfica desmentido, na altura, que tenha havido um encontro, afirmando mesmo ao DN que "o Benfica não está interessado em Carrillo". Ontem, a mesma fonte garantiu ao DN que "não há qualquer contrato assinado" com o jogador, acrescentando que a única coisa que existe é "uma proposta do Atlético de Madrid para o empréstimo de Carrillo no final da época".

Pois bem, a verdade é que o encontro entre Vieira e Carrillo se realizou mesmo, tendo sido esse momento decisivo para que o peruano aceitasse a proposta que lhe foi apresentada pelo presidente do Benfica. Aliás, esta jogada de antecipação acabou por surpreender o próprio Jorge Mendes, que pretendia colocar o jogador no Atlético de Madrid, numa operação que incluiria o empréstimo ao Benfica ou ao FC Porto na próxima época, no caso de se confirmar o castigo da FIFA, que impedirá os espanhóis de inscrever jogadores nas duas próximas janelas de mercado.

O DN sabe que a proposta apresentada pelo Benfica a Carrillo foi a melhor que o jogador recebeu de um clube que não o Sporting. Sendo certo que o jogador já tinha decidido que não iria continuar em Alvalade, tendo inclusive recusado uma proposta, divulgada em novembro pelo blogue Football Leaks, no valor de dois milhões de euros limpos no primeiro ano, que aumentaria para três milhões na segunda época de contrato e chegaria aos quatro milhões em 2018-19.

Sobre este contrato entre Carrillo e o Benfica, o Sporting não tomou qualquer posição oficial, mas o DN sabe que os leões estão a ponderar acionar judicialmente o jogador por alegadamente ter pretendido prejudicar os leões, mas também por alegados danos causados à imagem do clube.

FC Porto também na corrida

Ao que o DN apurou, o FC Porto também tentou contratar Andre Carrillo, tendo havido contactos nas últimas horas. Contudo, o Benfica conseguiu antecipar-se aos dragões.

Assim se explica que, ontem de manhã, Pinto da Costa tenha afirmado que o peruano já era jogador do Benfica, alegando que o atleta lhe teria sido oferecido. "Telefonaram-me a avisar que o Carrillo estava a assinar pelo Benfica e perguntaram se o FC Porto estava interessado. Não quero saber dos outros. Se quer assinar pelo Benfica faz muito bem", atirou o líder portista, em declarações à SIC.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.