Benfica feliz na Europa 17 anos depois

Encarnados voltam a disputar a meia-final da Liga Europa (antigaTaça UEFA) ... com o Sp. Braga!

O Benfica apurou-se esta quinta-feira para as meias-finais da Liga Europa ao empatar (2-2) com o PSV, em Eindhoven. Segue-se o duelo português com o Sporting de Braga... Só um chegará à final de Dublin (18 de Maio), onde encontrará o FC Porto ou o Villarreal.

Os encarnados apresentaram-se no Philips Stadion com vantagem confortável (4-1) conseguida no Estádio da Luz, e poderiam mesmo ter sentenciado o apuramento nos minutos iniciais, por Gaitán e Saviola. Mas foi a equipa holandesa a marcar aos 17 minutos, por Dzsudzak, e por Lens, aos 25 minutos.

A eliminatória complicava-se para o Benfica, mas Roberto impediu Dzsudzak de fazer o 3-0 e Luisão acabaria por fazer o 2-1 perto do intervalo. O capitão correspondeu à chamada e deu um sinal para empate conseguido no segundo tempo, numa grande penalidade sofrida por César Peixoto e convertida por Cardozo, aos 63 minutos.

No total o Benfica venceu o PSV, por 6-3. Agora segue o duelo com o Sp. Braga, a 28 de Abril e 5 de Maio...

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.