Benfica faz a "dobradinha" no Jamor 27 anos depois

Benfica põe fim ao "jejum" de dez anos sem Taças de Portugal e faz o primeiro "pleno" de títulos nacionais desde 1981. Jorge Jesus cumpre o sonho de carreira graças a Nico Gaitán e Oblak.

O Benfica encerrou, com "chave de ouro", a época 2013/14, ao juntar a Taça da Portugal ao campeonato e à Taça da Liga, tornado-se o primeiro clube a conquistar estas três provas na mesma época. Há 33 anos, de resto, que o Benfica não vencia todas as provas nacionais em disputa, mas o triunfo por 1-0, no Jamor, frente ao Rio Ave, permitiu à equipa de Jorge Jesus fazer o "pleno".

Apesar das desilusões acumuladas na Europa - primeiro na queda na fase de grupos da Liga dos Campeões, um objetivo assumido para a época, depois na final da Liga Europa, nos "cruéis" penáltis frente ao Sevilha -, o Benfica não deu hipóteses à concorrência nas provas internas e fez a festa no Jamor, pela primeira vez desde 2004, alcançando a décima "dobradinha" da sua história.

Há 27 anos que o Benfica não ganhava Taça e campeonato na mesma temporada, mas o triunfo no Jamor foi possível, sobretudo, por dois nomes: Nico Gaitán assinou (mais) um momento de inspiração, aos 20 minutos, com um grande golo, e Oblak susteve um Rio Ave superior na segunda parte, embora tenha tido nos ferros da baliza um importante "aliado" na defesa da vantagem tangencial.

Aos 59 anos, Jorge Jesus (o primeiro português a fazer a "dobradinha" pelo Benfica) consegue o seu maior objetivo da carreira, à terceira tentativa no Jamor. Na final de 1967, quando o Vit. Setúbal bateu a Académica (3-2), Jorge Jesus foi ao Jamor, quando tinha 13 anos, pela mão do avô, que viu falecer a seu lado, após se ter sentido mal quando estava 2-2 no marcador. Desde então, o técnico sonhava dedicar o troféu ao avô, algo que finalmente consegue.

O Benfica chega à 25.ª Taça de Portugal, em 35 finais, diante de um Rio Ave que continua sem conquistar qualquer troféu, mas que vai abrir a época 2014/15 diante dos encarnados, na Supertaça Cândido de Oliveira. O clube da Luz vai despedir-se de algumas das suas figuras até lá, mas fecha a temporada mais bem sucedida sob a presidência de Luís Filipe Vieira a nível nacional.

Filme do jogo:

- Cartão vermelho para Lionn, já após o apito final, por protestos. Carlos Xistra terá admoestado outro jogador, mas no meio da confusão não foi percetível quem.

90+3' Final do jogo! O Benfica vence a Taça de Portugal pela 25.ª vez!

90+1' Oblak salva! Na sequência de um livre, o guarda-redes esloveno conseguiu agarrar a bola à tangente.

90' Três minutos de compensação...

89' Substituição no Rio Ave. Saiu Braga, um extremo, e entra Vilas Boas, um trinco. Espírito Santo não tem mais atacantes no banco.

88' Edimar desperdiça! O lateral brasileiro tentou o remate cruzado e desperdiçou um bom lance de ataque, quando tinhas três colegas a pedir-lhe a bola.

87' Substituição no Benfica. Saiu Nico Gaitán e entrou Oscar Cardozo.

85' Jorge Jesus chama Oscar Cardozo.

83' Jogam-se os últimos minutos no Jamor. O Benfica acalmou o ritmo de jogo e está cada vez mais perto de conquistar a 25.ª Taça de Portugal, primeira desde 2004.

81' Garay desvia de cabeça, na sequência de um livre direto, mas não acerta no alvo.

81' Benfica a serenar o jogo no meio-campo do Rio Ave, tentando afastar os vilacondenses da grande área de Oblak.

80' Substituição no Rio Ave. Saiu Pedro Santos e entrou Hassan.

77' Substituição no Rio Ave. Saiu Rúben Ribeiro e entrou Diego Lopes.

76' Oblak novamente a resolver, desta vez com uma saída rápida da baliza, a desarmar Ukra.

75' Grande defesa de Ederson! Markovic apareceu sozinho em zona de finalização e rematou colocado, mas o guarda-redes desviou para canto.

73' Oblak afasta o perigo, após cruzamento de Ukra. Pressão asfixiante do Rio Ave, perante um Benfica a acusar o desgaste físico.

72' Enzo Pérez faz sinal para substituição, mas Jorge Jesus não tem mais médios no banco. As opções que restam são Jardel, Ivan Cavaleiro, Funes Mori e Cardozo.

71' Remate de Filipe Augusto, para Oblak encaixar.

70' Marcelo falha por pouco! O central brasileiro ganhou a posição e desviou de cabeça, mas fez a bola passar a rasar o poste!

69' Incrível defesa de Oblak! Ukra rematou forte e colocado, mas o jovem guardião foi buscá-la à "gaveta.

68' Nuno Espírito Santo ainda não fez nenhuma alteração. O rumo do jogo aconselha à entrada de Hassan, o único ponta-de-lança disponível.

66' Substituição no Benfica. Saiu Rodrigo, que deverá ter feito o último jogo pelo Benfica, e entra Markovic.

65' Rodrigo corre pela zona central, mas remata contra um defesa.

64' Ver Jorge Jesus aos gritos e a esbracejar é um hábito em qualquer jogo, mas esta final da Taça de Portugal é candidata a deixar o técnico do Benfica sem voz.

63' Rio Ave acerta no poste! Excelente cruzamento de Ukra para a desmarcação de Pedro Santos, que fez a bola acertar em cheio no poste, já com Oblak "batido".

63' Jorge Jesus chama Markovic e prepara a segunda alteração.

62' Lima falha por pouco! O avançado brasileiro atirou com "selo de golo", mas a bola bateu em Marcelo e saiu ao lado do alvo.

60' Cardozo aquece na equipa do Benfica, que tenta "acalmar" o ritmo de jogo.

58' Cartão amarelo para Braga, por entrada sobre Garay.

58' Tentativa de remate de Edimar, sem perigo.

57' Jorge Jesus está à beira de um ataque de fúria perante a pressão do Rio Ave e nem o apanha bolas (uma criança) escapa aos gritos do técnico do Benfica. O quarto árbitro já lhe aconselhou calma.

56' Substituição no Benfica. Saiu Rúben Amorim e entrou André Gomes.

55' Cartão amarelo para Lima. Não foi percetível qual a infração cometida pelo brasileiro do Benfica.

54' Jorge Jesus chama André Gomes. É preciso "mexer" no meio-campo.

53' Corte à tangente de André Almeida, perante a investida de Pedro Santos. O Benfica está a "perder" o meio-campo.

52' O intervalo "fez bem" ao Rio Ave, que surge com nova "cor" para a segunda parte. Linhas mais subidas, maior velocidade na circulação e mais gente em zona de finalização.

50' A equipa de Nuno Espírito Santo pressiona mais alto na segunda parte e procura recuperar a bola à saída do meio-campo do Benfica.

49' Rio Ave cria perigo. Lance de grande confusão na grande área, com a defesa do Benfica a afastar a dois tempos, perante a insistência de Pedro Santos a tentar o remate.

48' André Gomes, Ivan Cavaleiro e Markovic aquecem no Benfica.

47' Primeiro remate do Rio Ave enquadrado com a baliza, por Tarantini, a rematar para Oblak encaixar.

46' Início da segunda parte! Bola para o Benfica.

45+1' Intervalo no Jamor. O Benfica está a vencer o Rio Ave, por 1-0, golo de Gaitán (20'), na final da Taça de Portugal.

45' Cartão amarelo para Rúben Ribeiro, por falta sobre Enzo Pérez.

44' Benfica com 65% de posse de bola na final da Taça de Portugal, diante de um Rio Ave que ainda não fez qualquer remate enquadrado com a baliza de Oblak.

42' Excelente iniciativa de Filipe Augusto, a soltar Pedro Santos no lado direito, mas o extremo nem cruzou bem, nem conseguiu rematar.

40' Salvio cria perigo na grande área, mas não se consegue desembaraçar de Edimar e atirar à baliza.

38' Rio Ave ganha o seu primeiro pontapé de canto na partida, mas não consegue tirar proveito da bola parada.

36' Nuno Espírito Santo não gosta do que vê. A estratégia vilacondense não está a ser bem sucedida e há que ir atrás do prejuizo.

34' Diagonal e remate de Rodrigo, com a bola a sair muito por cima.

32' O Rio Ave não está a conseguir contrariar a superioridade do Benfica. Exceção feita a um remate de Tarantini (14'), os vilacondenses mal passaram do meio-campo ou criaram perigo.

30' Cartão amarelo para Pedro Santos, por derrubar André Almeida. Carlos Xistra tem "adiado" os cartões, mas começa agora a recorrer ao bolso.

28' Benfica tira proveito dos lances de bola parada para criar perigo, já com efeitos práticos.

26' Grande defesa de Ederson! O guarda-redes brasileiro, por instinto, faz uma incrível defesa, após cabeceamento de Garay, na sequência de um livre. Alguns adeptos já gritavam "golo!"

24' O Benfica, curiosamente, perdeu nas duas últimas finais da Taça de Portugal (2005 e 2013) em que se adiantou no marcador. Um registo que tenta inverter.

22' Nico Gaitán é o primeiro jogador desde Simão Sabrosa (2004 e 2005) a marcar em duas finais consecutivas da Taça de Portugal.

20' GOLO DO BENFICA! NICO GAITÁN FAZ O 1-0! Tal como em 2013, o médio-ofensivo argentino abre o marcador no Jamor; Gaitán, à entrada da grande área, aproveitou uma "sobra" para, com o pé direito, fazer um excelente golo, com um remate ao ângulo.

18' Mau cabeceamento de Tarantini, na sequência de um pontapé livre, sem perigo para Oblak.

17' Carlos Xistra dá margem para o contacto físico e agressividade das duas equipas, assinalando poucas faltas.

15' Gaitán tenta servir Enzo Pérez, mas Ederson antecipa-se.

14' Rio Ave cria perigo. Tarantini entra na grande área e remata cruzado, mas não enquadrou o remate com a baliza, nem apareceu ninguém ao segundo poste.

13' Ukra e Rúben Ribeiro desarmam Maxi Pereira mesmo à entrada da grande área, afastando o perigo.

11' Rúben Ribeiro arranca o cruzamento, na primeira situação de ataque do Rio Ave, mas não estava ninguém na grande área. Espírito Santo aposta numa estratégia sem ponta-de-lança, ao contrário da final da Taça da Liga, em que jogou Hassan.

8' Benfica "instalado" no meio-campo do Rio Ave, que tem tido dificuldades em sair para o ataque.

6' Rodriguez afasta o perigo da grande área, perante a proximidade de Lima, que se preparava para cabecear.

4' Lima, após cruzamento de Salvio, não consegue desviar a bola para a baliza, de cabeça, perante a marcação cerrada de Lionn.

3' O Benfica joga com apenas dois portugueses no "onze". Em todas as 24 Taças de Portugal que conquistou, nunca usou menos de sete na equipa que ganhou a final.

2' Benfica ganha o primeiro pontapé de canto da final.

1' Carlos Xistra apita para o início da final da Taça de Portugal! Bola para o Rio Ave.

- O facto de muitos adeptos terem chegado tarde às imediações do estádio não ajudou a promover uma entrada ordeira. Centenas de adeptos deverão entrar já com a primeira parte a decorrer, pois as equipas acabam de subir ao relvado...

- São milhares os adeptos que ainda tentam entrar no estádio, com recurso a empurrões e mais empurrões...

- A confusão mantém-se junto à Praça da Maratona. Alguns adeptos denunciam a óbvia falta de condições para acolher a final da Taça de Portugal no Jamor, mas outros insistem que a "festa da Taça" tem que ser ali, onde a falta de logística e condições de segurança é evidente.

- Alguns adeptos, sobretudo mulheres e crianças, vão sendo "passados" por cima da barreira de segurança, que a polícia está a tentar aguentar, perante a pressão de adeptos maioritariamente afetos ao Benfica, até porque os benfiquistas estão em esmagadora maioria no Jamor.

- Há pessoas que estão há uma hora a tentar entrar no Jamor. As que estão mais longe da zona de acesso, numa tentativa de antecipar a entrada, vão empurrando, empurrando e empurrando, ao ponto de vários adeptos estarem "entalados" junto às barreiras de segurança.

- A cerca de 20 minutos do início da final, há uma grande confusão no acesso ao Estádio. Várias pessoas vão-se empurrando contra a barreira de segurança formada pela polícia. Alguns adeptos vão sendo "esmagados" contra a barreira, ao mesmo tempo que tentam empurrar e derrubar a barreira policial. Várias crianças estão "entaladas" no meio da confusão.

RIO AVE: Ederson; Lionn, Rodríguez, Marcelo, Edimar; Filipe Augusto, Tarantini; Ukra, Rúben Ribeiro, Braga; Pedro Santos. Suplentes: Hugo Ventura, Roderick Miranda, Nuno Lopes, André Vilas Boas, Tiago Pinto, Diego Lopes e Hassan.

BENFICA: Oblak; Maxi Pereira, Luisão, Garay, André Almeida; Rúben Amorim, Enzo Pérez, Salvio, Nico Gaitán; Rodrigo e Lima. Suplentes: Artur Moraes, Jardel, André Gomes, Ivan Cavaleiro, Lazar Markovic, Funes Mori e Oscar Cardozo.

Benfica e Rio Ave defrontam-se, neste domingo (17.15), no Jamor, para decidir o vencedor da 74.ª edição da Taça de Portugal. Os encarnados tentam juntar a prova rainha do futebol luso à I Liga e à Taça da Liga, procurando vencedor no Jamor dez anos depois, enquanto os vilacondenses procuram o primeiro troféu do seu historial, no ano do 75.º aniversário.

A equipa lisboeta regressa ao palco onde, há um ano, terminou em pesadelo a temporada anterior, saindo derrotada do Estádio Nacional pelo Vitória de Guimarães (2-1), poucos dias depois de ter perdido a final da Liga Europa para o Chelsea e o título nacional para o rival FC Porto.

Tal como aconteceu na época passada frente aos minhotos, o Benfica, recordista de títulos na Taça de Portugal, com 24 troféus, defronta um adversário que nunca venceu a competição, quatro dias depois de voltar a perder a final da Liga Europa, desta vez frente ao Sevilha.

A grande diferença é que neste domingo os "encarnados" subirão ao relvado do Estádio Nacional, a partir das 17.15 horas, com o título nacional no "bolso" e a vitória na Taça da Liga, conquistada, precisamente, frente ao Rio Ave, com um triunfo por 2-0.

O Benfica pode, inclusive, conquistar a 10.ª "dobradinha" do seu historial (campeonato e Taça de Portugal), o que aconteceu pela última vez há 27 anos. No entanto, as águias não completam o "pleno" de troféus nacionais há 33 anos, uma vez que em 1987 perderam a Supertaça para o FC Porto. Agora, a equipa de Jorge Jesus pode vencer todas as provas nacionais que disputou em 2013/14.

Para o jogo decisivo da 74.ª edição da prova, o treinador benfiquista, Jorge Jesus, já poderá contar com três jogadores influentes que estiveram ausentes da final de Turim devido a suspensão, o médio Enzo Perez e os extremos Markovic e Salvio.

O Rio Ave, por sua vez, tenta conquistar o primeiro troféu de "primeira linha" do futebol nacional, sabendo que o Jamor vale, desde já, o acesso à Supertaça Cândido Oliveira de 2014/15 e à Liga Europa (vencer no Jamor valerá a entrada direta na fase de grupos e 1,3 milhões de euros).

A II Liga foi a competição mais significativa que o Rio Ave já venceu, sendo esta a segunda final da Taça de Portugal que disputa. Em 1984, os vilacondenses perderam por 4-1 com o FC Porto, na final.

O Benfica, que procura o 25.º título em 35 finais, e o Rio Ave, em busca do primeiro, à segunda tentativa, defrontam-se a partir das 17.15, no Estádio Nacional, no Jamor, com arbitragem de Carlos Xistra, de Castelo Branco. A lotação foi esgotada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".

Premium

António Araújo

Virgínia, a primeira jornalista portuguesa

Estranha-se o seu esquecimento. É que ela foi, sem tirar nem pôr, a primeira jornalista portuguesa, a primeira mulher que exerceu a profissão de repórter nos moldes que hoje conhecemos. Tem o seu nome nas ruas de algumas localidades (em Lisboa, no bairro de Caselas), mas, segundo sei, não é sequer recordada pela toponímia da sua terra natal, Elvas, onde veio ao mundo às cinco da madrugada do dia 28 de Dezembro de 1882. Seu pai era oficial de Cavalaria, sua mãe doméstica (e também natural de Elvas), seus irmãos militares de fortes convicções republicanas; um deles, Carlos Alberto, chegou a estar na Rotunda em Outubro de 1910 e a combater as tropas de Couceiro por bandas de Trás-os-Montes.

Premium

Marisa Matias

É ouro, senhores

Chegar à União Europeia não é igual para toda a gente, já se sabe. Em vários países da União Europeia - treze mais em concreto - ter dinheiro é condição de porta aberta. Já se o assunto for fugir à morte ou procurar trabalho, a conversa é bem diferente. O caso a que me refiro é o dos vistos gold. Portugal integra a lista de países com práticas mais questionáveis a este respeito. Não sou eu quem o diz, os dados vêm do Consórcio Global Anticorrupção e da Transparency International.

Premium

Germano Almeida

Parlamentares

A notícia segundo a qual dois deputados nacionais ultrapassaram a fase dos insultos verbais e entraram em desforço físico junto ou dentro do edifício do Parlamento correu as ilhas e também pelo menos a parte da diáspora onde chegam as nossas emissões, porque não só a Rádio Nacional proporcionou ao facto abundante cobertura, como também a televisão lhe dedicou largos 22 minutos de tempo de antena, ouvindo não só os contendores como também as eventuais testemunhas da lide, e por fim um jurista, que, de código em punho, esmiuçou a diferença entre uma briga e uma agressão pura e simples, para concluir que no caso em apreço mais parecia ter havido uma agressão de um deputado a outro, na medida em que tudo levava a crer ter havido um único murro. Porém, tão bem aplicado e com tanta ciência, que não houve mais nada a fazer senão conduzir o espancado ao hospital para os devidos curativos. E para comprovar a veracidade do incidente mostrou, junto a uma parede, uma mancha de sangue que por sinal mais fazia lembrar o local onde uma galinha poderia ter sido decapitada.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Desta vez Trump tem razão

A construção de uma Europa unida como espaço de paz, liberdade, justiça e prosperidade sustentável foi o maior projeto político da geração a que pertenço. É impossível não confessar a imensa tristeza que me invade ao observar mês após mês, ano após ano, como se caminha para aquele grau de exaustão e fadiga que faz pressentir a dissolução final. O que une, hoje, a Europa é a mais elementar pulsão de vida, o instinto de autossobrevivência. Não dos seus governantes, mas dos seus mais humildes cidadãos. O tumultuoso Brexit mostra bem como é difícil, mesmo para um grande país com soberania monetária, descoser as malhas urdidas ao longo de tantas décadas. Agora imagine-se a tragédia que seria o colapso da união monetária para os 19 países que dela participam. A zona euro sofreria um empobrecimento e uma destruição de riqueza exponenciais, como se uma guerra invisível, sem mortos nem ruínas, nos tivesse atingido. Estamos nisto há dez anos. Os atos políticos levados a cabo desde 2008, nada mudaram na gravidade dos problemas, apenas adiaram o desfecho previsível. Existe uma alternativa minimalista ao colapso. Implicaria uma negociação realista baseada nos interesses materiais concretos dos Estados, como aqueles casais que coabitam, mesmo depois do divórcio, para nenhum deles ter de ir morar na rua. A prioridade seria uma mudança das regras absurdas do tratado orçamental, que transformam, por exemplo, os 2,8% da derrapagem orçamental francesa prevista para 2019 numa coisa esplêndida, e os 2,4% solicitados pelo governo de Roma num pecado mortal! Contudo, os mesmos patéticos dirigentes políticos dos grandes países europeus que economizaram nos atos potencialmente redentores do projeto europeu, não nos poupam à sua retórica. A evocação do primeiro centenário do fim da I Guerra Mundial ultrapassou os limites do aceitável.