Benfica e Adidas renovam acordo até 2021

Benfica e Adidas, que em 2003 celebraram um contrato válido por 10 épocas na ordem dos 4,5 milhões de euros/ano, oficializaram a renovação de contrato.

O Benfica e a marca de equipamentos desportivos Adidas renovaram o contrato de patrocínio até 2021, anunciaram, em comunicado, as duas entidades.

De acordo com o documento, o Benfica e a marca alemã têm um histórico comum desde a década de 70, sendo que desde a época 1997/98 que a Adidas tem sido o patrocinador contínuo e oficial do clube.

Nigel Griffiths, diretor geral da marca para a Península Ibérica, disse estar "muito orgulhoso por anunciar a extensão da parceria" e que "a renovação do contrato até 2021 foi um processo natural".

"Só as marcas suficientemente ousadas conseguem marcar a diferença e fazer história. Duas das maiores marcas na indústria do desporto a nível global renovaram, uma vez mais, a sua longa ligação. É um sinal de confiança, mas é também o reconhecimento do valor que o trabalho em conjunto traz para cada uma das instituições", afirmou o presidente dos "encarnados", Luís Filipe Vieira.

O valor do novo contrato entre o Benfica e a marca alemã não foi revelado. Porém, segundo o relatório e contas do primeiro semestre 2013/14, "os rendimentos provenientes de patrocínios equivalem a 8,5 milhões de euros".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.