Benfica contrata brasileiro Bruno César

SAD encarnada chegou a acordo com a empresa detentora do passe do médio, que já não participou no treino do Corinthians desta sexta-feira.

O médio ofensivo Bruno César, de 22 anos, vai ser jogador do Benfica na próxima época. A SAD encarnada chegou esta noite a acordo com a empresa Sonda, detentora de 100% dos direitos desportivos do atleta que representa o Corinthians, tendo o futebolista sido dispensado do treino do clube paulista para viajar para Lisboa e, dessa forma, fazer os habituais testes médicos e assinar contrato que, segundo a imprensa brasileira será válido por quatro temporadas.

Bruno César é um típico número 10 que foi considerado a revelação do último Campeonato Brasileiro. No seu site oficial, o Corinthians assumiu haver uma proposta apresentada esta sexta-feira "por um grande clube português" que é o Benfica. O clube de São Paulo terá direito a 20% da transferência cujo valor, garante a imprensa brasileira, é de 5,5 milhões de euros.

O acordo entre as partes prevê ainda que Bruno César continue a representar o Corinthians até ao final do Campeonato Paulista, apresentando-se na Luz no início dos trabalhos da nova época, previsivelmente na segunda quinzena do mês de Junho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.