Benfica vence em Braga e cola-se ao Sporting (1-3)

Encarnados venceram este sábado o Sp. Braga por 3-1, com golos de Salvio, Jonas e Jiménez. Paulinho reduziu para os bracarenses. Águias distanciam-se mais dos minhotos e colam-se ao Sporting no segundo lugar

O Benfica venceu este sábado no terreno do Sp. Braga por 3-1, em partida da 18.ª jornada da I Liga, e colou-se ao Sporting no segundo lugar, à condição, uma vez que os leões só jogam este domingo.

Os encarnados entraram bem no jogo e inauguraram o marcador logo aos 11 minutos, por Salvio, a passe de Cervi, levando uma vantagem de 1-0 para intervalo.

Os minhotos apresentaram-se mais ofensivos no segundo tempo, mas foram os lisboetas que voltaram a marcar, por Jonas (64'), de cabeça, na sequência de um cruzamento de André Almeida pelo corredor direito.

Na sequência de um cruzamento pelo corredor direito, mas de Ricardo Horta, surgiu também o tento de honra da equipa de Abel Ferreira, aos 74 minutos, por intermédio de Paulinho, que aproveitou uma saída em falso de Bruno Varela para cabecear para o fundo das redes.

Os arsenalistas foram em busca do empate, mas acabaram por se tornar permeáveis no contra-ataque, permitindo a Raúl Jiménez apontar o golo da tranquilidade para o Benfica (90+1'), após mais uma assistência de Cervi.

Onzes iniciais:

Sp. Braga: Matheus; Esgaio, Bruno Viana, Rosic e Jefferson; Xadas, Danilo, Vukcevic e Fábio Martins; Paulinho e Ricardo Horta.

Suplentes - Tiago Sá, Raúl Silva, Wilson Eduardo, Hassan, Goiano, João Carlos Teixeira e Dyego Sousa.

Benfica: Bruno Varela; André Almeida, Rúben Dias, Jardel e Grimaldo; Pizzi, Fejsa e Krovinovic; Salvio, Jonas e Cervi.

Suplentes - Svilar, Samaris, João Carvalho, Zivkovic, Rafa, Raúl Jiménez e Seferovic.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.