Benfica chega aos dois milhões e Renato está perto de voltar

Médio pode chegar por empréstimo do B. Munique, com as águias a suportarem metade do salário. Será um dos mais bem pagos.

Renato Sanches está muito perto de regressar à Luz. Segundo apurou o DN, o Benfica subiu a parada e aceitou pagar metade do salário que o médio aufere no Bayern Munique, ou seja, dois milhões de euros/brutos por ano, para garantir o empréstimo do jogador que brilhou com a camisola das águias na temporada 2015-16. Um valor que fará do médio, que já foi visto no Estádio da Luz esta semana, um dos mais bem pagos do plantel benfiquista.

Falta agora o OK definitivo do clube alemão, que preferia encontrar um clube disposto a pagar a totalidade dos ordenados ao médio português (quatro milhões/brutos por ano), afinal de contas contratou-o há dois anos por 35 milhões de euros (mais 45 por objetivos).

Há cerca de duas semanas, quando confrontado com a situação do português, o diretor-geral do clube alemão, Karl Heinze Rummenigge, anunciou que o jogador seria integrado: "Renato Sanches vai voltar. O Niko Kovac [novo treinador do Bayern] vai tentar devolvê-lo à sua antiga forma e qualidade. Será um desafio interessante." Mas este cenário alterou-se com o interesse do Benfica e ganhou forma quando o clube da Luz aceitou pagar até dois milhões de euros em salários para garantir o regresso.

O acordo com o jogador, esse, há muito que já foi alcançado. Benfiquista de "alma e coração", como já se assumiu por diversas vezes, Renato viu com bons olhos a possibilidade de voltar ao Benfica, onde se destacou na temporada 2015-16 ao ponto de ser chamado ao Euro 2016 e ter ajudado Portugal a ser campeão europeu.

Infeliz também no Swansea

A vida na Alemanha não correu como o jovem esperava e acabou emprestado ao Swansea, onde também não foi feliz. Carlos Carvalhal, que o treinou no clube inglês, chegou mesmo a dizer que o melhor era voltar a Portugal: "O Renato sabe que teve uma temporada muito má. Teve uma lesão chata. Alguém me disse que podia voltar ao Benfica, e se puder, é o melhor para ele. Acho que voltando, e tendo os pais e os amigos ao pé dele - e um bom clube para o apoiar -, pode atingir o melhor nível. Ele precisa de voltar a Portugal, é um menino e ainda não está pronto para a Premier."

O regresso ao futebol português e a um clube onde se sente acarinhado e valorizado não é visto como um passo atrás. Afinal, o médio tem apenas 21 anos e ainda está no início da carreira.

A concretizar-se este empréstimo, o negócio entrará na história. O Benfica já recuperou vários jogadores depois de os vender, casos de Rui Costa, Chalana ou Mozer, e até Bruno Varela mais recentemente, mas não há memória de um atleta tão jovem que tenha estado envolvido num negócio de valores tão elevados a regressar por empréstimo à casa de partida.

O valor afetivo e desportivo do jogador chegou para convencer Rui Vitória e Luís Filipe Vieira a avançar, com a bênção do empresário Jorge Mendes, que ficou com a missão de tratar do regresso e convencer o Bayern Munique.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.