Benfica chega aos dois milhões e Renato está perto de voltar

Médio pode chegar por empréstimo do B. Munique, com as águias a suportarem metade do salário. Será um dos mais bem pagos.

Renato Sanches está muito perto de regressar à Luz. Segundo apurou o DN, o Benfica subiu a parada e aceitou pagar metade do salário que o médio aufere no Bayern Munique, ou seja, dois milhões de euros/brutos por ano, para garantir o empréstimo do jogador que brilhou com a camisola das águias na temporada 2015-16. Um valor que fará do médio, que já foi visto no Estádio da Luz esta semana, um dos mais bem pagos do plantel benfiquista.

Falta agora o OK definitivo do clube alemão, que preferia encontrar um clube disposto a pagar a totalidade dos ordenados ao médio português (quatro milhões/brutos por ano), afinal de contas contratou-o há dois anos por 35 milhões de euros (mais 45 por objetivos).

Há cerca de duas semanas, quando confrontado com a situação do português, o diretor-geral do clube alemão, Karl Heinze Rummenigge, anunciou que o jogador seria integrado: "Renato Sanches vai voltar. O Niko Kovac [novo treinador do Bayern] vai tentar devolvê-lo à sua antiga forma e qualidade. Será um desafio interessante." Mas este cenário alterou-se com o interesse do Benfica e ganhou forma quando o clube da Luz aceitou pagar até dois milhões de euros em salários para garantir o regresso.

O acordo com o jogador, esse, há muito que já foi alcançado. Benfiquista de "alma e coração", como já se assumiu por diversas vezes, Renato viu com bons olhos a possibilidade de voltar ao Benfica, onde se destacou na temporada 2015-16 ao ponto de ser chamado ao Euro 2016 e ter ajudado Portugal a ser campeão europeu.

Infeliz também no Swansea

A vida na Alemanha não correu como o jovem esperava e acabou emprestado ao Swansea, onde também não foi feliz. Carlos Carvalhal, que o treinou no clube inglês, chegou mesmo a dizer que o melhor era voltar a Portugal: "O Renato sabe que teve uma temporada muito má. Teve uma lesão chata. Alguém me disse que podia voltar ao Benfica, e se puder, é o melhor para ele. Acho que voltando, e tendo os pais e os amigos ao pé dele - e um bom clube para o apoiar -, pode atingir o melhor nível. Ele precisa de voltar a Portugal, é um menino e ainda não está pronto para a Premier."

O regresso ao futebol português e a um clube onde se sente acarinhado e valorizado não é visto como um passo atrás. Afinal, o médio tem apenas 21 anos e ainda está no início da carreira.

A concretizar-se este empréstimo, o negócio entrará na história. O Benfica já recuperou vários jogadores depois de os vender, casos de Rui Costa, Chalana ou Mozer, e até Bruno Varela mais recentemente, mas não há memória de um atleta tão jovem que tenha estado envolvido num negócio de valores tão elevados a regressar por empréstimo à casa de partida.

O valor afetivo e desportivo do jogador chegou para convencer Rui Vitória e Luís Filipe Vieira a avançar, com a bênção do empresário Jorge Mendes, que ficou com a missão de tratar do regresso e convencer o Bayern Munique.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.