Ansaldi e Emerson para "anular" recusa de Drenthe

Ansaldi, do Rubin Kazan, e Emerson, do Lille, ambos de 25 anos, são os objectivos do Benfica para disputarem a posição de lateral esquerdo do plantel encarnado.

Há negociações para a aquisição dos passes dos dois atletas, sendo que no caso do brasileiro estão bem mais adiantadas.

Drenthe era, como o DN avançou, um dos futebolistas que o Benfica queria para essa posição, mas a recusa do holandês - que fez saber publicamente que não quer vir para o Benfica - fez o clube avançar para Emerson, sendo que Ansaldi, até pela sua polivalência (tanto pode jogar à direita como à esquerda), sempre foi o eleito para, teoricamente, ser o sucessor de Fábio Coentrão, ficando agora o brasileiro como segunda opção. Sendo que pelo seu passe os encarnados deverão pagar 2,5 milhões de euros. Por Ansaldi há também negociações em curso e o argentino poderá cerca de seis milhões de euros, embora seja pelo montante que o negócio ainda não foi concluído dado que o clube russo quer aumentar a fasquia, pelo menos para oito milhões.

Leia mais pormenores no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.