Mercado europeu prioritário para Quique

Há movimentações de olheiros do clube pela Europa, ainda que nada esteja definido. Treinador espanhol quer jogadores experientes mas perfeitamente adaptados à realidade do futebol europeu. Outros mercados só em casos excepcionais

C GONÇALO LOPES

O Benfica, leia-se Rui Costa e Quique Flores, estão já a preparar a próxima temporada. Há alguns nomes em análise, mas nada está definido, dado que o técnico está, por enquanto, mais empenhado em tentar a conquista do título de campeão nacional. Mas o que está definido é que os principais alvos do treinador espanhol estão no mercado europeu.

Patric, defesa brasileiro, cuja contratação está praticamente certa (falta definir os moldes do compromisso, se o Benfica compra parte ou a totalidade do passe) é uma excepção devido à sua idade, 20 anos, e margem de progressão. Por sua vez Bruno, guarda-redes do Flamengo é hipótese, mas, sabe o DN, não a primeira para Quique Flores.

O treinador entende que para construir uma equipa para garantir desde logo resultados, os reforços terão de estar já totalmente adaptados ao futebol europeu. Outros mercados, nomeadamente o sul-americano, serão obviamente alvos de análise, mas sempre como derradeira opção, apurou o DN junto de fonte do clube encarnado.

O treinador espanhol está em perfeita sintonia com o administrador Rui Costa, que entende e respeita perfeitamente a opinião de Quique Flores.

O mercado espanhol é o preferido e há atletas definidos naquele país. Por sua vez, também não é de descartar o francês e o italiano, até porque há muito tempo que Rui Costa já demonstrou a sua admiração pelos mesmos.

Aliás, os olheiros mais activos estão espalhados pela Europa, como são os casos de Abel Silva, Valido, Jorge Gomes, entre outros, ainda que hajam observadores noutras partes do mundo.

Por tudo isto, contratações de outros continentes que não o Europeu só acontecerão caso o negócio seja considerado bastante vantajoso para o emblema da Luz, como foi, por exemplo, o caso do brasileiro Sidnei, no início da presente temporada, que já cativou a crítica, os adeptos do clube encarnado e principalmente alguns dos tubarões europeus, bastante atentos às suas performances.

Fora das cogitações do clube encarnado está já Diego Biseswar, extremo do Feyenoord. Como o DN ontem revelou, há cerca de duas semanas que as negociações entre o Benfica e o seu empresário estavam paradas. As explicações dadas ao clube da Luz referiam que o internacional sub-21 pela Holanda queria empenhar-se no que resta da temporada no clube de Roterdão. Contudo, ontem, acabou por renovar contrato por mais três temporadas com o actual 10.º classificado do principal campeonato do país das tulipas.

Segundo soube o DN, o Feyenoord poderá já ter um clube para o jovem extremo e o respectivo negócio estará também concluído. Ou seja, Biseswar jogará mais um ano (ou até Janeiro de 2010) em Roterdão, seguindo depois para um dos campeonatos mais competitivos da Europa.

Biseswar era uma opção para o lado direito do ataque, mas não era a única. Aliás, Quique até pretende um jogador mais experiente, sendo que o holandês era tido na Luz como uma boa aposta. Agora, contudo, as atenções vão virar-se para outras direcções, também já definidas entre treinador e director-desportivo.