Advogado do Benfica diz que clube "não violou a lei"

João Correia fala em legítima defesa e refere que Benfica fez "uma comunicação, não uma intimação" a quem acedeu aos e-mails

Depois de o Sporting ter anunciado que fez uma participação ao Ministério Público devido à intimação realizada pelo Benfica a pessoas e empresas que descarregaram os e-mails do clube que estão a circular na internet, estranhando que o clube da Luz tenha acesso a esses dados, João Correia, advogado do Benfica neste processo, afirmou no Jornal da Noite, da SIC, que "o Benfica não violou a lei e agiu em legítima defesa" quando enviou "comunicações" às empresas e pessoas em causa.

João Correia disse que na Luz "existem meios de deteção para verificar quem acedeu aos e-mails", escusando-se a entrar em pormenores por "não ser especialista informático". "Houve invasão da vida privada do Benfica e quem o fez cometeu um crime. As pessoas em causa violaram a lei ao apreenderem os e-mails do Benfica", assumiu, garantindo que o clube fez "apenas uma comunicação e não uma intimação". "O Benfica não é uma autoridade judicial, mas foi ofendido e pode participar dos meios de agressão por essas pessoas, empresas e entidades".

"Apito encarnado? Não apita"

Questionado sobre o processo que começou a ser desvendado pelo FC Porto há seis meses, João Correia reafirmou que "não é importante se os e-mails são verdadeiros ou falsos", pois "a questão que se coloca é se o Benfica praticou o crime de corrupção, se houve tráfico de influências ou se influenciou algum resultado". "E aí é que o Benfica pode ser punido, mas tem de ser provado", sublinhou, garantindo que, tendo em conta os e-mails que foram revelados, "não existe qualquer contacto do Benfica com qualquer árbitro" e nesse sentido diz estar "com serena expetativa sobre o resultado da investigação".

É que, em sua opinião, "não há suspeitas", pois considera que "há é quem todos os dias prometa que vai praticar um crime na divulgação de e-mails", acrescentando que, tendo em conta aquilo que é divulgado, "tem de haver uma relação causa-efeito, ou seja tem de haver consequências do que vem comunicado nesse correio, e isso tem de ser provado".

João Correia garantiu ainda que o Benfica está "em colaboração ativa e sistemática com a investigação criminal" e garante que tudo só "será esclarecido pelas instâncias próprias, quando processualmente se atingir algum resultado".

Questionado se o futebol português está perante um caso que pode ser denominado de Apito Encarnado, depois de ter vivido o Apito Dourado, o advogado do Benfica deixou uma certeza: "É um apito que não toca e dentro de algum tempo vamos ver que não toca mesmo."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.