Encarnados recebem recorde de 400 milhões pelos jogos em casa

A NOS acertou um contrato de dez anos com os encarnados, que encaixam 40 milhões/ano. Jogos devem passar a dar na SportTV

Está fechado. A SAD do Benfica vai receber 400 milhões de euros pela cedência à NOS dos direitos de transmissão televisiva dos seus jogos em casa por um período de dez anos.

Ficou assim estabelecido um recorde absoluto em Portugal na venda destes direitos, à razão de 40 milhões de euros por ano, e o comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) refere que o acordo, que entrará em vigor na época 2016-17, contempla ainda os "direitos de transmissão e distribuição do Canal Benfica TV", que assim ficará como conteúdo exclusivo da operadora NOS.

O mesmo documento revela ainda que a duração inicial do contrato é de "três anos podendo ser renovado por decisão de qualquer das partes até perfazer um total de dez épocas desportivas".

Os pormenores do acordo só serão revelados no dia 10 de dezembro, numa conferência de imprensa promovida pelas duas entidades. Contactados pelo DN, os responsáveis da NOS não quiseram fazer mais comentários além do comunicado enviado à CMVM. No entanto, o DN sabe que, à partida, os jogos do Benfica passarão a ser transmitidos na SportTV, canal que é detido em 50% pela NOS, ficando a BTV com a possibilidade de os transmitir em diferido.

Em aberto está ainda a questão de o canal dos encarnados deixar de ser pago, o que à partida deverá acontecer, mas apenas depois de revendidos os direitos das ligas francesa e italiana que a BTV tem na sua posse e que vão além do final desta época. Assim, tudo aponta para que a BTV volte a ter apenas um canal, em vez dos dois atuais, passando a transmitir apenas os jogos das modalidades e da equipa B de futebol.

Um valor justo já em 2012

Curiosamente, os responsáveis encarnados haviam estabelecido em 2012, quando decorria o processo negocial com a Olivedesportos para a renovação do contrato da cedência dos direitos de transmissão, que o valor justo eram os 40 milhões de euros, verba a que a NOS chegou agora.

De resto, tendo em conta que até 31 de junho de 2013 o Benfica recebia da Olivedesportos cerca de oito milhões de euros e que, na negociação que se seguiu, a empresa de Joaquim Oliveira chegou a oferecer 22,2 milhões de euros por cinco épocas, os valores que a SAD encarnada agora encaixa representam um aumento significativo, que permitirá abater consideravelmente o passivo da sociedade que ronda os 430 milhões de euros. Aliás, a aplicação desta verba no abatimento do passivo da SAD deverá ser esclarecido pelo presidente Luís Filipe Vieira na conferência de imprensa de 10 de dezembro.

Este contrato com a NOS faz que os encarnados aumentem significativamente as suas receitas televisivas, uma vez que o último relatório e contas da SAD do Benfica revelou que a BTV teve uma faturação de 30 milhões de euros, não tendo sido divulgado o valor líquido da receita do canal. Ainda assim, no período homólogo do ano anterior, foi obtido um lucro de 17 milhões de euros, após uma faturação total de 28 milhões de euros.

Em termos comparativos com os principais rivais, refira-se que o Sporting recebe anualmente da Olivedesportos 21,6 milhões de euros, enquanto o FC Porto se fica pelos 20,7 milhões, sendo que ambas as sociedades têm os seus contratos válidos até final da temporada 2017/18.

Este negócio entre o Benfica e a NOS torna, desde já, inviável aquela que era a principal promessa de Pedro Proença quando se candidatou a presidente da Liga. O ex-árbitro tinha como um dos objetivos do seu mandato a centralização dos direitos televisivos de todos os clubes para que fossem depois vendidos pela Liga, à semelhança do que acontece em Inglaterra.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG