Arsenal e Liverpool empatam a três golos

Equipa de Wenger esteve a perder 2-0, deu a volta e deixou-se empatar

Arsenal e Liverpool empataram esta sexta-feira a três golos na abertura da 19.ª jornada da Liga inglesa de futebol, em jogo aberto, intenso, com inúmeras oportunidades de golo e uma reviravolta incrível dos gunners, que viraram um 2-0 para 3-2.

O Liverpool adiantou-se no marcador aos 26 minutos, pelo médio brasileiro Philippe Coutinho, resultado com que se chegou ao intervalo, mas na segunda parte a equipa orientada por Jurgen Klopp chegou ao 2-0, aos 52 minutos, pelo egípcio Mohamed Salah, dando a sensação de que a vitória já não escaparia.

No entanto, o Arsenal respondeu com cinco minutos infernais, durante os quais meteu a bola no fundo das redes do belga Simon Mignolet por três vezes, aos 53, 56 e 58, pelo avançado chileno Aléxis Sanchez, o médio suíço Granit Xhaka e o médio alemão Mesut Ozil, respetivamente.

Consumada a reviravolta, o Arsenal não conseguiu, porém, segurar a vantagem de um golo e acabou por sofrer o terceiro golo, do internacional brasileiro Roberto Firmino, com alguma sorte à mistura, visto que Petr Cech defendeu o remate, mas a bola tomou altura e, caprichosamente, entrou na sua baliza.

Com este empate, quer Arsenal quer Liverpool, quarto e quinto classificados, com 35 e 34 pontos, respetivamente, arriscam perder terreno para os rivais que o antecedem na tabela, o Manchester City, que lidera com 52 pontos e recebe o Bournemouth, o Manchester United, que é segundo com 41 pontos e se desloca ao estádio do Leicester, e o Chelsea, que é terceiro com 38 e defronta o Everton, no Goodison Park.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.