António Salvador quer "onda vermelha" no Jamor

Final da Taça de Portugla é domingo contra o FC Porto

O presidente do Sporting de Braga, António Salvador, desejou esta segunda-feira que os sócios e adeptos do clube minhoto criem "uma onda vermelha" no Estádio do Jamor, no domingo, e acreditem na conquista da Taça de Portugal de futebol.

No dia seguinte ao fim do campeonato e à pesada derrota caseira diante do Sporting (4-0), o presidente dos bracarenses reconheceu que a "parte final [da época] não tem corrido muito bem" à equipa liderada por Paulo Fonseca, muito porque os "objetivos internos foram alcançados atempadamente, cedo demais".

Contudo, frisou que o jogo com o FC Porto é uma final e que acredita que o troféu venha para Braga, o que aconteceria precisamente 50 anos depois da única Taça de Portugal conquistada pelos 'arsenalistas'.

"Para muitos destes jogadores e das pessoas que trabalham neste clube no dia-a-dia, para a nossa massa adepta e para muitas gerações, será uma oportunidade única para conquistar este troféu. Peço aos adeptos que acreditem na equipa, porque ela já demonstrou capacidade para ganhar qualquer jogo e em qualquer campo e acredito mesmo que, no próximo fim de semana, conseguiremos fazer história e fazer muitos bracarenses felizes", afirmou.

O dirigente frisou que a vitória no domingo significará "uma época perfeita".

"Peço aos nossos sócios que criem uma onda vermelha no Jamor e acreditem que é possível vencer e ter uma noite feliz", reforçou.

António Salvador falava à margem de mais uma iniciativa da "Campanha Guerreiros Solidários", promovida pelo Sporting de Braga, que visa angariar 50 toneladas de alimentos não perecíveis para apoiar as ações internacionais de auxílio aos refugiados, meta que já foi alcançada e ultrapassada.

Hoje foi a vez de representantes da União de Exportadores da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) marcarem presença em mais uma ação e contribuírem com 30 toneladas para a campanha solidária do clube minhoto.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.