Condenado a 15 meses de prisão por dopar atletas

Um tribunal de Viena condenou o treinador Walter Mayer a 15 meses de prisão, três em prisão efectiva, por ter fornecido dopantes a inúmeros atletas entre 2005 e 2009. Mayer esteve no centro do escândalo de doping que envolveu as selecções austríacas de esqui de fundo e biatlo durante os Jogos Olímpicos de Inverno de Turim 2006.

Mayer negou as acusações, mas em tribunal foram várias as testemunhas que confirmaram o envolvimento do técnico no tráfico de substâncias dopantes. Karl Heinz R., que era arguido neste julgamento, tal como um farmacêutico e mais duas pessoas, disse que actuou como intermediário ao serviço de Mayer comprando hormona de crescimento, eritropoietina (EPO) e outros dopantes junto do farmacêutico. O fornecimento destes produtos a Mayer intensificou-se no período de preparação para os Jogos Olímpicos de 2006.

Estas declarações foram proferidas na primeira sessão do julgamento. Já na quarta-feira foi a vez de um antigo técnico e ex-presidente da comissão antidopagem da Federação Austríaca de Esqui ter sustentado a tese da acusação. Segundo a AFP, Johannes Obererlacher afirmou que surpreendeu Mayer quando este administrava uma transfusão sanguínea a Christian Hoffmann, durante os Jogos de Salt Lake City 2002, competição em que o esquiador de fundo venceu a prova dos 30 km.

Mayer foi suspenso pelas instâncias desportivas devido ao doping em Salt Lake City e foi proibido pelo Comité Olímpico Internacional (COI) de ir a Turim 2006, mas o treinador violou a interdição, levando os Carabinieiri a realizarem rusgas aos chalés das equipas austríacas de esqui de fundo e biatlo, apreendendo seringas, bolsas de sangue, material para transfusões e outros dopantes.

Fundamental foi também o testemunho de Arnold Riebenbauer: o ex-presidente da comissão antidopagem da Federação de Esqui revelou que Mayer o informou acerca da participação de atletas austríacos em planos de dopagem sanguínea em Minsk, capital bielorrussa, e no laboratório vienense Humanplasma, centro de um esquema de doping que também envolveu o ciclista Bernhard Kohl, que perdeu o título de melhor trepador da Volta à França de 2008.

Testemunharam pela defesa Ludwig Gredler, antigo medalhado mundial no biatlo, Alois Stadlober, esquiador de fundo campeão do mundo em 1999, e Jürgen Pinter, um dos visados pela operação dos Carabinieri e que cumpre uma suspensão vitalícia. Todos disseram não acreditar no envolvimento de Mayer nos factos de que era acusado, mas as suas declarações não convenceram o tribunal.

Foram ainda chamados para testemunhar os esquiadores Christian Hoffmann, Wolfgang Perner e Roland Diethart, os dois últimos suspensos para sempre pelo escândalo em Turim 2006, mas nenhum compareceu. Segundo a AFP, o julgamento não permitiu esclarecer todas as dúvidas sobre o envolvimento de outros representantes do esqui de fundo austríaco em práticas dopantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?