Condenado a 15 meses de prisão por dopar atletas

Um tribunal de Viena condenou o treinador Walter Mayer a 15 meses de prisão, três em prisão efectiva, por ter fornecido dopantes a inúmeros atletas entre 2005 e 2009. Mayer esteve no centro do escândalo de doping que envolveu as selecções austríacas de esqui de fundo e biatlo durante os Jogos Olímpicos de Inverno de Turim 2006.

Mayer negou as acusações, mas em tribunal foram várias as testemunhas que confirmaram o envolvimento do técnico no tráfico de substâncias dopantes. Karl Heinz R., que era arguido neste julgamento, tal como um farmacêutico e mais duas pessoas, disse que actuou como intermediário ao serviço de Mayer comprando hormona de crescimento, eritropoietina (EPO) e outros dopantes junto do farmacêutico. O fornecimento destes produtos a Mayer intensificou-se no período de preparação para os Jogos Olímpicos de 2006.

Estas declarações foram proferidas na primeira sessão do julgamento. Já na quarta-feira foi a vez de um antigo técnico e ex-presidente da comissão antidopagem da Federação Austríaca de Esqui ter sustentado a tese da acusação. Segundo a AFP, Johannes Obererlacher afirmou que surpreendeu Mayer quando este administrava uma transfusão sanguínea a Christian Hoffmann, durante os Jogos de Salt Lake City 2002, competição em que o esquiador de fundo venceu a prova dos 30 km.

Mayer foi suspenso pelas instâncias desportivas devido ao doping em Salt Lake City e foi proibido pelo Comité Olímpico Internacional (COI) de ir a Turim 2006, mas o treinador violou a interdição, levando os Carabinieiri a realizarem rusgas aos chalés das equipas austríacas de esqui de fundo e biatlo, apreendendo seringas, bolsas de sangue, material para transfusões e outros dopantes.

Fundamental foi também o testemunho de Arnold Riebenbauer: o ex-presidente da comissão antidopagem da Federação de Esqui revelou que Mayer o informou acerca da participação de atletas austríacos em planos de dopagem sanguínea em Minsk, capital bielorrussa, e no laboratório vienense Humanplasma, centro de um esquema de doping que também envolveu o ciclista Bernhard Kohl, que perdeu o título de melhor trepador da Volta à França de 2008.

Testemunharam pela defesa Ludwig Gredler, antigo medalhado mundial no biatlo, Alois Stadlober, esquiador de fundo campeão do mundo em 1999, e Jürgen Pinter, um dos visados pela operação dos Carabinieri e que cumpre uma suspensão vitalícia. Todos disseram não acreditar no envolvimento de Mayer nos factos de que era acusado, mas as suas declarações não convenceram o tribunal.

Foram ainda chamados para testemunhar os esquiadores Christian Hoffmann, Wolfgang Perner e Roland Diethart, os dois últimos suspensos para sempre pelo escândalo em Turim 2006, mas nenhum compareceu. Segundo a AFP, o julgamento não permitiu esclarecer todas as dúvidas sobre o envolvimento de outros representantes do esqui de fundo austríaco em práticas dopantes.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.