'Dr Doping' passa do ciclismo e atletismo para futebol

Eufemiano Fuentes é apontado pelas autoridades policiais de Espanha como o cabecilha das redes de doping desmanteladas nas operações "Puerto", que abalou o ciclismo, e "Galgo", que fez tremer o atletismo. O ginecologista vai regressar ao desporto como médico da Universidad de Las Palmas, equipa da II divisão B de futebol.

Segundo o site Canarias7.com, citado pelos jornais espanhóis, Fuentes foi contratado pelo presidente do clube, Carlos López, para ser o novo responsável máximo do departamento médico. O polémico clínico já foi apresentado ao grupo técnico, liderada pelo treinador José Juan Almeida, e à equipa principal do clube.

Foi em 2006 que a Guarda Civil espanhola desmantelou uma rede de doping (na "Operação Puerto") que tinha como alegados clientes 58 ciclistas de elite. O esquema, baseado na dopagem sanguínea, era comandado por Eufemiano Fuentes, com o apoio da sua irmã Yolanda, também médica e de José Luis Merino Batres, responsável por um laboratório de análises clínicas em Madrid, onde supostamente se levava a cabo a dopagem sanguínea dos clientes. Com a acusação baseada na antiga legislação espanhola e sem a nova lei antidopagem, o processo não levou a quaisquer condenação. Ainda se arrastam nos tribunais os recursos contra a decisão do juiz de instrução criminal em arquivar a acusação de atentado à saúde pública.

No final do ano passado, Fuentes foi novamente visado pela Guarda Civil, na "Operação Galgo", que acabou com um esquema de dopagem que servia o atletismo e tinha novamente os dois médicos das Canárias como alegados cabecilhas e Alberto León, ex-ciclista de BTT, como principal operacional. Os três foram detidos e constituídos arguidos. León suicidou-se posteriormente.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.