Conceição atira-se a Ricardo Sousa: "Não honrou o nome da família, não honrou o pai nem o filho"

Treinador do FC Porto criticou homólogo do Mafra, que fez a sua formação como futebolista no FC Porto e que é filho de António Sousa, antigo médio dos azuis e brancos, e é pai de Afonso Sousa, jogador que passou pelas camadas jovens e equipa B do emblema da Invicta.

DN
© Ivan Del Val/Global Imagens

Sérgio Conceição teceu esta sexta-feira duras críticas ao treinador do Mafra, Ricardo Sousa, após o empate a dois golos entre o FC Porto e os mafrenses no Estádio do Dragão, a contar para a Taça da Liga.

"Em Mafra fui expulso por meter uma bola para fora. Hoje viu-se de tudo no banco. O treinador adversário, que não honrou o nome da família, não honrou o pai nem o filho, a empurrar o Wendell", acusou o técnico portista, sobre alguém que fez a sua formação como futebolista no FC Porto e que é filho de António Sousa, antigo médio dos azuis e brancos, e é pai de Afonso Sousa, jogador que passou pelas camadas jovens e equipa B do emblema da Invicta.

"Falamos do jogo ou do jogo que não houve? O que tivemos, do que se passou...? Podia ser politicamente correto, mas não tem a ver comigo. Não podemos oferecer 45 minutos, faltou agressividade no processo defensivo, com bola também pressionámos pouco, provocámos pouco a última linha do Mafra. E quando é assim, mesmo com uma equipa do escalão inferior, acabámos por sofrer dois golos. Na segunda parte fizemos onze remates, o Mafra não sei se chegou. Marcámos dois golos, podíamos ter feito mais... E depois é o que é o futebol português", havia afirmado anteriormente Conceição, antes de criticar Ricardo Sousa.

O treinador portista diz que tirou ilações para todos os gostos após o encontro. "Levo algumas situações positivas, mas outras tantas ou mais negativas", afirmou, realçando a "falta de ritmo" de alguns jogadores e a falta de entrosamento entre os atletas que foram utilizados. "Podíamos ter feito mais. Empatámos, temos dois jogos para corrigir. A jogar em casa ou fora temos o apoio do público. E aproveito para agradecer, porque vieram cá num horário nada convidativo. Não serve de desculpa, temos jogadores no Mundial, temos lesionados... e não são só seis! Podemos bitaitar, dizer realidades que não são e passar a imagem do que não se passou", frisou, já apontando baterias para o duelo com o Desp. Chaves, que vai acontecer dentro de duas semanas.