Advogado de Platini diz que o organismo perdeu a sua credibilidade

Thibaud d'Alès diz que a FIFA está a tentar afastar Platini de uma candidatura à presidência

O advogado Thibaud d'Alès, que defende Michel Platini, disse que não se pode dar qualquer credibilidade à FIFA, cuja comissão de ética pediu hoje sanções para o presidente da UEFA.

"É uma grande coincidência [que aconteça] um dia após o nosso recurso para o TAS [Tribunal Arbitral do Desporto] da suspensão provisória de Michel Platini. É burlesco, poderia dar para rir se não estivéssemos a falar da maior instituição não governamental do mundo", disse o advogado à AFP.

Thibaud d'Alès sublinhou o facto de a FIFA ter levado um mês e oito dias a julgar um recurso de Platini e de agora, "como por acaso", ter acelerado o processo de instrução, considerando que há uma tentativa de prejudicar a candidatura do antigo futebolista francês à presidência da FIFA.

"Aquela foi uma primeira prova manifesta de uma instrumentalização do calendário eleitoral, uma vez que Michel Platini é candidato à presidência. A segunda foi hoje, com a instrução concluída e sanções pedidas um dia após ao recurso para o TAS", acrescentou.

O departamento de investigação da comissão de ética da FIFA anunciou hoje, em comunicado ter "pedido sanções" contra o presidente demissionário da organização, Joseph Blatter, e Michel Platini, um dos seis candidatos à sucessão, ambos suspensos provisoriamente por 90 dias.

Anunciando ter terminado a instrução dos processos contra Blatter e Platini, e alertando para a "presunção de inocência", o departamento não especificou que tipo de sanções requereu para serem aplicadas contra os dois responsáveis nos relatórios finais que entregou ao departamento de julgamento da mesma comissão de ética.

Num comunicado separado, o departamento de julgamento da comissão de ética da FIFA confirmou ter recebido os relatórios, precisando que os vai estudar "com atenção" e que "decidirá a tempo e horas se avança ou não com um processo formal de julgamento.

A comissão de ética da FIFA investiga Michel Platini pelo recebimento de 1,8 milhões de euros em 2011 de Joseph Blatter para pagar um trabalho de aconselhamento realizado em 2002.

O antigo internacional francês Michel Platini, de 60 anos, está suspenso de toda a atividade ligada ao futebol até 05 de janeiro de 2016 e o seu processo de candidatura à presidência da FIFA, que terá eleições a 26 de fevereiro, encontra-se em suspenso.

Concorrem à presidência da FIFA o suíço Gianni Infantino, braço direito de Platini e secretário-geral da UEFA, o francês Jérôme Champagne, o jordano Ali Bin Al Hussein, Salman bin Ebrahim Al Khalifa, do Kuwait, e o sul-africano Tokyo Sexwale.

Michel Platini foi suspenso provisoriamente por 90 dias pelo Comité de Ética da FIFA a 08 de outubro deste ano, por implicação no escândalo de corrupção que atinge a instituição, tal como o presidente demissionário do organismo, o suíço Joseph Blatter, o secretário-geral, o francês Jérôme Valcke.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG