20 anos e vice-campeão mundial. Quem é Miguel Oliveira

Conheça o talento do jovem piloto de Almada

Aos 20 anos, e com cinco de experiência no Moto3, Miguel Oliveira (KTM) sagrou-se vice-campeão mundial, perdendo apenas por seis pontos para o britânico Danny Kent, numa época em que acabou por confirmar a promoção para a categoria intermédia, o Moto2, passo importante rumo ao seu sonho assumido: o MotoGP.

Sob influência do seu pai, Paulo Oliveira, também ele antigo piloto e confesso apaixonado por velocidade, Miguel teve aos três anos o seu primeiro contacto com uma mota. Numa primeira fase, uma moto4 elétrica e depois, já mais a sério, uma de 50 centímetros cúbicos.

Depois da aprendizagem, a competição entrou na vida de Miguel Oliveira aos nove anos. Em 2004, o jovem piloto, que pelo meio tentou a sorte nos karts, voltou às duas rodas para competir no campeonato nacional MiniGP.

O bom desempenho (quarto lugar) valeu a Oliveira a nomeação para Jovem Promessa pela Confederação Nacional do Desporto e, mais importante, abriu-lhe os horizontes espanhóis, país no qual começou a competir no ano seguinte no Campeonato de Madrid.

Uma vez mais, o seu pai voltou a ser a peça chave no que viria a ser a carreira de Miguel. Foi ele o primeiro a perceber, também por experiência própria, que Portugal era 'pequeno' demais para potenciar o talento que via diante dos seus olhos.

Os sucessos não tardaram a chegar nas categorias jovens. Mas, foi em aqui ao 'lado', em Espanha, num país tão perto em distância quanto longínquo em cultura desportiva, que Miguel Oliveira passou a competir. Lá, encontrou os apoios necessários e desafios certos para seguir com o que diz ser, desde sempre, o seu desporto de eleição.

O campeonato espanhol de velocidade, no qual se estreou em 2009, acabou por ser a grande 'montra' para Miguel Oliveira, que simultaneamente disputou nesse ano o campeonato europeu, terminando em terceiro e quinto, respetivamente.

Em 2010, lutou pelo título espanhol, terminando como vice-campeão, a dois pontos de Maverick Viñales. Na mesma posição, terminou também o campeonato europeu.

No final do ano, tanto Oliveira como Viñales acabaram promovidos à categoria 125cc, antiga designação para o que hoje se conhece por Moto3. Estava, assim, aberta a porta para o mundial.

O convite chegou da Aprilia, mas o ano de estreia as coisas não correram pelo melhor. A falta de apoios da equipa, que fez com nem completasse toda a época, podia ter sido fatal para o piloto de Almada, até porque se sabe que nestas 'coisas' das corridas, por vezes, o mais difícil não é entrar, mas sim ficar e triunfar.

E foi o talento que segurou o piloto de Almada. Foi assim na primeira época, e repetiu-se na segunda, até ao primeiro pódio (terceiro lugar no GP da Catalunha), então ao volante de uma Suter-Honda.

Depois de duas épocas na indiana Mahindra, o ano de 2015, com a saída de Jack Miller para o MotoGP, dá-se a grande oportunidade de Oliveira. O português ocupou a vaga do australiano na equipa oficial KTM e chegou finalmente a uma equipa de topo, capaz de lhe proporcionar condições para rodar frequentemente nos lugares da frente.

Depois de um início de época difícil, com quedas e desistências, em maio, no Circuito de Mugello, em Itália, ouviu-se pela primeira vez 'a portuguesa' num mundial de motociclismo.

Oliveira depressa se 'habituou' a vencer e 'faixa' com hino português ouviu-se seis vezes durante o ano. Fechou como 'vice' e despede-se do Moto3 com seis triunfos, quatro segundos lugares e três terceiros, em 79 corridas, para um total de 672 pontos.

Com uma 'naturalidade' anormal para os padrões portugueses, a evolução de Oliveira, que um dia se vê como médico dentista, foi uma constante na ainda curta carreira do almadense e hoje já se espera por 2016 para o ver competir no Moto2.

"Não há dúvida que o Miguel tem um enorme talento e potencial e irá encaixar na perfeição no Moto2. Estamos muito ansiosos para começar a próxima época com este novo piloto", destacou o responsável pela Leopard Racing, equipa que Oliveira representará em 2016.

Paralelamente ao êxito na pista, Miguel Oliveira tem também um percurso como 'aluno dedicado'. Os livros são companhia frequente nas viagens pelo mundo, pois desde cedo tomou noção que a carreira que escolheu é curta e os azares também acontecem.

Quando pendurar o fato de piloto, Miguel Oliveira tenciona vestir a bata de dentista e trocar os assentos 'vertiginosos' das motas por uma mais estável cadeira de dentista. Para já, e já com o vice-campeonato de Moto3 no currículo, frequenta o primeiro ano de medicina dentária.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.