O amor depois do #MeToo: como seduzir sem arriscar uma acusação de assédio

Qual é a linha que separa o abuso da sedução? E como se adaptam as pessoas aos tempos depois do #MeToo? Fomos saber

"Sempre tive muita atenção para não passar a linha que separa o "engate" do abuso", diz Nuno Faria, 25 anos, solteiro. Cátia Brites, quatro anos mais velha e na mesma condição, diz que "até pode dar conversa", mas deixa sempre "bem claro o que não quer". O problema, refere, é que "não se consegue controlar a expectativa que o outro cria". Depois, "ter de dizer não tanta vez é muito incomodativo", desabafa.

Ambos, que vivem nas fronteiras de Lisboa, concordam que o movimento #MeToo, cujo eco se fez ouvir no mundo desde outubro de 2017, pouco ou nada mudou por cá. Aliás, as denúncias feitas ao abrigo da hashtag (#) não revelaram vítimas nem despiram abusadores no exercício do poder indesejado em contexto laboral nacional.

Mas e no resto? A noite, o engate, o enamoramento, as aplicações de encontros, os beijos roubados e os primeiros passos mudaram? "Não creio", responde Cátia. "Continua tudo igual. Sais à noite e sentes que há sempre o olhar de querer levar alguém para a cama.E há muita pressão, até por parte das próprias amigas, que querem saber o que aconteceu depois e lembram que "aquele" rapaz bem podia ser um bom partido", graceja.

Para saber mais clique aqui: www.delas.pt

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...