"A morte da Amália deixou um espaço aberto para aparecer alguém, e apareci eu"

A fadista Mariza afirmou, numa entrevista, este sábado, ao jornal La Opinion, da Corunha, que a morte de Amália Rodrigues, a 6 de outubro de 1999, deixou um vazio no panorama do fado e criou espaço para aparecer alguém novo, como a própria Mariza. Questionada sobre se o seu primeiro disco, ‘Fado em Mim’, editado em 2001, tinha contribuído para abrir as portas também a fadistas mais antigas, Mariza respondeu que, à altura, não havia muitas cantoras a cantar o mesmo tipo de fado que o seu disco apresentou e que a sua imagem – sobretudo o cabelo muito curto […]

Para saber mais clique aqui: www.delas.pt