Tanto mar dentro destas concertinas

Danças Ocultas apresentam Dentro Desse Mar ao vivo numa conversa entre este quarteto e o violoncelo de Morelebaum, percussões, teclas e voz. Foles que nos fazem querer dançar. Hoje há concerto em Aveiro

Logo a abrir, o Brasil já ali está, quando arrancam as percussões de Azáfama, a música de abertura de Dentro Desse Mar e tema de apresentação do novo álbum das Danças Ocultas. A noite de outono ficou lá fora e há uma alegria indizível que se resgata nestas conversas de um quarteto de concertinas com um violoncelo, percussões e teclas - e ainda a voz.

Neste concerto no Teatro Tivoli, em Lisboa, este sábado à noite em Lisboa, depois de um primeiro em Coimbra, os quatro instrumentistas contaram com a presença em palco de Jaques Morelenbaum, o violoncelista que produziu o álbum e que os ajudou a desbloquear as soluções de sempre a que chegavam no momento de dar forma ao álbum, como confessaram na entrevista ao DN. E essas soluções permitiram o tal cheiro tropical que se desenham logo a abrir em Azáfama ou se notam em Dessa Ilha, a canção com letra de Arnaldo Antunes que Dora Morelenbaum canta com leveza.

Não está ainda dado o mote para uma noite de excelência: a esse mar todo em que mergulham Artur Fernandes, Filipe Cal, Filipe Ricardo e Francisco Miguel, as quatro concertinas ficam também sozinhas em palco numa demonstração de um som orgânico e de uma paleta de ritmos e timbres que, desde o primeiro álbum homónimo de 1996, nos mostra como este é um dos projetos mais singulares da música moderna portuguesa.

Ao sopro do fole, à respiração dos instrumentos, as quatro concertinas provam que, mesmo sem a presença dos outros convidados, um concerto das Danças Ocultas não é algo mediano: a transcendência de Oníris, a leveza de Queda D'Água ou a genialidade de Dança II - numa versão que transcende em muito a música primitiva de 1996 - são cartão de visita mais que suficiente deste quarteto. E, no final, cá fora, alguém se espantava com o que as Danças Ocultas conseguiam fazer de cada uma das concertinas.

Se em Azáfama (ou na sua variação final que é Azaf), as teclas de Marco Figueiredo ganham um papel principal, se as percussões de Quiné vão pontuando o ritmo nos temas mais recentes, como em As Viajantes, e se em Sorriso a delicadeza do violoncelo dialoga na perfeição com as concertinas, é claro desde o início - como já o era no disco - que as concertinas são as protagonistas principais. E cabe tanto mar dentro delas.

Este domingo à noite, as Danças Ocultas sobem ao palco no Teatro Aveirense, em Aveiro. Dia 21 estarão na Casa da Música, no Porto. Há danças que não se podem perder.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG