Silêncio! Do silêncio faço um grito

Miguel Ortega Cláudio faz a crónica da corrida de quinta-feira, no Campo Pequeno, na qual foi homenageado o lendário matador espanhol Curro Romero

Começo esta minha crónica da corrida da passada quinta-feira, dia 5 de Julho, no Campo Pequeno, com enxerto da letra de um Fado escrito e cantado pela grande Amália: Silêncio! Do silêncio faço um grito...

Isto porque vi a corrida em silêncio e em silêncio assisti ao que se passou na arena da capital do País e o que se passou tem que nos fazer refletir a todos!

Em silêncio vi sair à arena um primeiro toiro com o ferro de David Ribeiro Telles, de pouco trapio e mal visto... Em silêncio vi um segundo toiro, alto, com cara, com pouco pescoço, que iniciava bem o muletazo mas terminava o mesmo por alto desluzindo muito a sua forma de investir. Em silêncio vi um berrendo em negro indigno de apresentação e de afeitado, há bitolas... Em silêncio vi outro toiro de Ribeiro Telles, grande, suave e nobre. Em silêncio vi o bonito quinto ter menos "gasolina" dentro que um carro na reserva... Em silêncio vi o sexto animal que me deu vergonha só de o ver sair pela porta dos curros da principal praça do país... Senhores diretores e veterinários as rezes bravas podem e devem ser reprovadas no reconhecimento por falta de trapio! Em silêncio vi sair o sobrero oferecido pela empresa mas que pouco veio acrescentar à corrida.

Em silêncio vi e ouvi a monumental vaia que o respeitável publico deu à saída do sexto toiro, nunca na minha vida tinha visto e ouvido coisa assim... Em silêncio vi como as expectativas dos presentes se esvaíam a cada, lance, a cada passe, a cada ferro, a cada pega.

Em silêncio pensei que o que se passou ontem no Campo Pequeno não se pode voltar a passar, mesmo que venha cá vir tourear o "Rei de Marrocos", da Puebla, de Alicante, ou do raio que o...

Em silêncio pensei quem serão os culpados de tamanho "desastre"?

O Campo Pequeno porque comprou aqueles novilhos, o ganadero que os enviou, os veedores dos toureiros, bons esses se os deixam mandar muito dá este resultado... O Veterinário que os aprovou, o diretor de corrida que lhes deu a bênção, os toureiros que se deixam anunciar com aquilo.

São todos culpados... mas só vi uns virem dar o corpo as balas, o Campo Pequeno na pessoa do Sr. Rui Bento Vasquez e os outros?

Bom os outros um estará a pensar na próxima campanha publicitária que irá fazer certamente com a "mesinha de cabeceira" do falecido génio Joselito "El Gallo" e o outro estará a desfrutar da sua família no mediterrâneo, ou a tirar fotos e selfies numa localidade qualquer perto de si. O diretor de corrida dirá que os toiros foram aprovados pelo veterinário e o veterinário dirá que os toiros tinham os requisitos mínimos para saírem a Lisboa mas não tinham meus caros... Os veedores dirão que os toiros tinham um trapio impressionante no campo e que na praça, bom na praça... O ganadero dirá que mandou oito toiros e os toureiros escolheram aqueles... Aquilo foi um insulto aos que foram ontem a Lisboa comprar uma entrada para ver um "banho de arte" de bem tourear mas com novilhos assim é impossível.

Da corrida em si pouca coisa há que dizer, uma boa lide de João Ribeiro Telles ao quarto da noite em que a brega foi brilhante e os ferros tiveram emoção e aqueceram as bancadas. Que o Aposento da Chamusca teve uma passagem por Lisboa digna. Que houve uma média Verónica de Morante que me encheu as medidas e uma série de naturais que fizeram sonhar com uma noite para recordar. Um quite por chicuelinas rematado com "rodillla en tierra" para recordar de Manzanares. A prova de praticante de bandarilheiro de Pedro Noronha que deixou bons pares e certamente terá sido aprovado.

E... Uma homenagem ao maior génio do toureio vivo que deu Sevilha... Francisco Romero López, Curro Romero.

Dirigiu a corrida o Diretor Manuel Gama e foi veterinário o Dr. Moreira da Silva.

Síntese da corrida:

Toiros: de David Ribeiro Telles para a lide a cavalo, nobres e com som. Para a lide a pé de Paulo Caetano pobres de apresentação e trapio e vazios de bravura.

Cavaleiro: João Ribeiro Telles (Volta e Volta)

Matadores: Morante de la Puebla (Ovação e Silêncio); José Maria Manzanares (Palmas e Assobios)

Forcados: Amadores do Aposento da Chamusca - João Rui Salgueiro à primeira tentativa (Volta) e Francisco Andrade à quarta tentativa (Palmas).

*As voltas à arena no final das lides são concedidas pelo diretor de corrida como prémio à qualidade da performance artística dos intervenientes ou pela bravura dos toiros.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.