Exclusivo Revisitar Marilyn, a verdadeira 

No ano em que se assinalam seis décadas da morte de Marilyn Monroe, e à boleia de Blonde, o filme de Andrew Dominik estreado esta semana na Netflix, a Cinemateca, em Lisboa, propõe um regresso aos clássicos que lhe deram a eternidade no grande ecrã.

As muitas abordagens biográficas do mito Marilyn Monroe, ao longo do tempo, convergiram para um ponto de situação cultural: hoje, para as novas gerações, ela é mais um símbolo e uma ideia transportada pela sua imagem - que vários artistas se encarregaram de duplicar - do que propriamente uma atriz conhecida, de facto, pela sua presença inefável em obras de grandes realizadores. Pode-se saber de cor cenas deste e daquele filme, uma canção ou uma frase, porque se encontram com facilidade os excertos disponíveis em vídeos de YouTube, mas isso não equivale a ter visto o filme todo, ou a ter apreendido a essência de um ser cuja luz ficou retida na película. É um pouco contra essa memória fragmentada de Marilyn na era da internet, esse desconhecimento da verdadeira atriz no grande ecrã, que a Cinemateca, aproveitando o fenómeno mediático da estreia de Blonde na Netflix, apresenta agora um ciclo com uma dúzia de títulos iluminados por esta estrela.

Com início na próxima segunda-feira, a homenagem "Marilyn de novo, Marilyn sempre nova" arranca com o magnífico Rio Sem Regresso (1954), de Otto Preminger (que terá segunda exibição no dia 25), o western agraciado com a dupla Monroe/Robert Mitchum, em que ela, na pele de uma cantora de saloon, dá sentido ao formato largo do CinemaScope... Exagero? Nunca. E outro filme que apetece cobrir de hipérboles (exibido no mesmo dia neste programa) é a obra-prima Os Inadaptados (1961), de John Huston, escrito pelo então marido de Marilyn, Arthur Miller. Por sinal, a derradeira longa-metragem dela, ao lado de Clark Gable, Montgomery Clift e Eli Wallach, com o preto e branco e a aridez do deserto do Nevada a chocarem contra o brilho comovente de uma personagem feminina que carrega uma espécie de anúncio do fim da Hollywood clássica.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG