De Ed Sheeran a Ana Moura: veja os videoclipes em língua gestual

Uma dupla de intérpretes de língua gestual portuguesa criou um projeto para levar a música à comunidade surda, em vídeos onde a interpretação e a coreografia se juntam para dar vida às letras de canções populares.

Pelo canal de Youtube do duo de Coimbra MusicSign já se contabilizam mais de dez vídeos, onde os intérpretes de língua gestual portuguesa Rui Oliveira e Rafaela Silva levam as letras de canções de Ed Sheeran, Ana Moura ou Salvador Sobral à comunidade surda.

Tudo começou como uma brincadeira: em 2015, os dois intérpretes de língua gestual portuguesa na Escola Superior de Educação de Coimbra (ESEC) decidiram gravar um vídeo em que interpretam "Atrevimento", de Kataleya e Anselmo Ralph. A receção por parte da comunidade surda não poderia ter sido melhor, conta à agência Lusa Rafaela Silva, também docente na ESEC.

"O vídeo foi muito partilhado nas redes sociais e as pessoas pediram mais, queriam mais músicas, porque os surdos também sentem a música. Aquilo a que não têm acesso é à letra", sublinha.

Em vez da postura formal do intérprete, com um fundo branco por trás, nestes vídeos Rui e Rafaela aprimoram o trabalho, com cenário, diferentes planos, figurino, maquilhagem e até coreografias, quase numa espécie de segundo 'take' do videoclipe da canção, tornando-o "mais interessante e apelativo" para a comunidade. "Aqui, temos mais liberdade. Podemos ser mais criativos na produção", sublinha.

Os dois intérpretes transformam-se quase em dançarinos nos vídeos, onde, com a expressão da cara, mas também do corpo, procuram complementar a língua gestual. "Temos a liberdade de nos mover no espaço e brincar um com o outro. Até harmonizamos [os gestos], em que ele usa uma mão e eu a outra, e conjugamos o gesto. É muito mais criativo e tudo isso reflete a emoção e o teor daquilo que está na música", realça Rafaela.

Desta forma, uma balada pode apresentar gestos mais calmos e vagarosos, enquanto um 'hit' qualquer de verão pode levar a movimentos mais rápidos ou aguerridos.

"Nós tentamos passar o ritmo da música através da expressão corporal e também no ritmo como fazemos os gestos. Quando é mais calma, o gesto é um pouco mais amplificado, é aumentado no espaço ou prolongamos o movimento. Se for, por exemplo, rap, o gesto pode ser mais curto e muito mais rápido", explica Rui Oliveira, considerando que é no hip-hop que se encontram mais dificuldades em conseguir a interpretação.

Para além de o projeto pensar nos surdos, esta é também uma forma de "sensibilizar a comunidade ouvinte para a existência das pessoas surdas, da língua gestual e de todo este mundo", realça Rafaela. Para a intérprete da ESEC, quando se fala em cultura - não apenas em música, mas também teatro - esta ainda está muito pouco acessível à comunidade surda.

Apesar de algumas situações em Lisboa e no Porto com peças de teatro com interpretação, as oportunidades são "esporádicas" para esta comunidade, referiu. Nesse sentido, o duo, para além de querer continuar a fazer mais vídeos em dueto, quer abraçar o desafio de subir ao palco, num concerto, e fazer "uma apresentação ao vivo para a comunidade surda".

"Seria muito bom sensibilizar os profissionais da música que este também é um público, estas pessoas também podem ir e apreciar os seus espetáculos e sentir a sua música", disse Rafaela Silva.

Hoje, assinala-se o Dia Nacional de Língua Gestual Portuguesa, sendo que na ESEC decorre um evento, a partir das 14:00, para celebrar a data com a participação de alunos da licenciatura em Língua Gestual Portuguesa e uma atuação dos MusicSign.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.