Primavera Sound: são mais as mulheres e os que têm entre 18 e 25 anos

Oitava edição do festival voltou a demonstrar uma predominância do público feminino e estreantes no festival. A faixa etária mais representada foi a dos 18 até aos 25 anos. Festival regressa em 2020 de 11 a 13 de junho no Porto.

A oitava edição do Primavera Sound voltou a demonstrar uma predominância do público feminino e estreantes no festival, sendo que a faixa etária mais representada foi a dos 18 até aos 25 anos, segundo um estudo revelado hoje.

O relatório, a que a Lusa teve acesso, ficou a cargo do Instituto Superior de Administração e Gestão (ISAG) e mostrou que o Parque da Cidade do Porto recebeu uma "forte afluência de público estrangeiro", com mais de 33 nacionalidades diferentes, das quais se destacaram a espanhola, inglesa, francesa e italiana.

A ficha técnica explica ainda que foram 977 os inquiridos durante os três dias de festival, com "um intervalo de confiança de 95% e um erro amostral de 5%, pelo que a amostra recolhida é representativa da população em estudo".

"As principais motivações para se deslocarem ao festival foram a reputação, a oportunidade de socializar, a experiência anterior e as práticas ambientais promovidas no evento. A programação e os palcos também foram destacados", indicou o documento.

Os números mostram que se verificou uma predominância do público feminino, com 62,1%, uma tendência que também aconteceu no ano passado, enquanto os jovens entre os 18 e 25 anos ocupam 45,5% do público representado e entre os 26 e 35 anos 35,8%, sendo que 74% dos festivaleiros tinham um "nível de escolaridade de, pelo menos, uma licenciatura".

O estudo garante ainda que o NOS Primavera Sound gerou "cerca de 18,5 milhões de euros" para a cidade do Porto, sobretudo pelo alojamento, alimentação e outras atividades.

A organização não divulgou quantas pessoas estiveram presentes no festival. ISAG e Primavera Sound colaboram desde 2013 para estudar o público do evento numa "caracterização sociodemográfica e o perfil do visitante", avaliando "o impacto direto na cidade do Porto" e a sua divulgação.

O Primavera Sound termina este sábado no Porto, contando as atuações de Jorge Ben Jor, Rosalía ou Erykah Badu, depois de dois dias que trouxeram a Portugal nomes como J Balvin, Interpol, Courtney Barnett ou Solange.

Pavement em 2020

O Primavera Sound vai regressar ao Parque da Cidade do Porto em 2020, com a nona edição do festival a decorrer entre 11 e 13 de junho, disse à Lusa o diretor do evento, José Barreiro.

"Queremos que seja uma edição competente, que reflita todo o trabalho até agora, não só no recinto como em termos de programação. Queremos continuar a arriscar", explicou Barreiro, no último de três dias da oitava edição, no Parque da Cidade.

Para o próximo ano está já confirmada a presença dos norte-americanos Pavement, um regresso num "exclusivo mundial" do NOS Primavera Sound e do mesmo festival em Barcelona, que comemora a 20.ª edição.

Essa data será assinalada em 2020 com uma extensão em Los Angeles, com Barreiro a admitir, dias antes do evento, que este possa ter um efeito positivo "direta e indiretamente" no Porto.

Por outro lado, o objetivo é "voltar mais forte", depois da "edição mais difícil de sempre", por causa dos cancelamentos de Ama Lou, Mura Masa, Kali Uchis e Peggy Gou.

Os motivos, que vão de problemas de saúde ao mau tempo que cancelou voos, além da avaria no radar do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, levaram a que esta edição pudesse "ser melhor", apesar de a organização "não poder fazer mais". O balanço, ainda assim, é "positivo", com concertos "muito bons" e um recinto que "nunca esteve tão bonito".