Premium Piano. João Vasco Almeida traz um '2016' em homenagem ao '1996', de Ryuichi Sakamoto

Chamou-lhe 2016 em homenagem ao 1996 do músico japonês e pelo meio juntou várias outras homenagens pessoais. É o primeiro disco de autor de João Vasco Almeida, pianista, mas também fotógrafo, designer e videasta/realizador.

"As inseguranças, perdi-as todas no momento em que decidi que ia fazer o disco." Assim resume João Vasco o salto por meio do qual se fez autor e compositor: "Houve um momento em que senti a compulsão de me virar sobre mim próprio e seguir em frente com confiança, sem precisar do conselho de mais ninguém."

E assim nasceu 2016, apresentado há uns meses, em estreia, na Casa André de Gouveia, em Paris e no novo Museu dos Coches e já disponível nas lojas e nas plataformas digitais, Spotify incluído. O projeto conta com a colaboração do violinista Pedro Lopes e do violoncelista Fernando Costa, escolhidos "por serem músicos versáteis e capazes de habitar esta estética, na qual é preciso um gesto diferente, mais flexível do que o clássico, mais distante do que aquilo que figura na partitura. Ao mesmo tempo, são capazes de perceber as minhas intenções e orientações, desta feita na qualidade de compositor", pois foi preciso, diz, "trazê-los para o meu universo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.