O café de "Alô Alô" afinal fica no pátio de um hotel em Norfolk

No local onde foram gravadas as cenas no exterior do café de René vai ser colocada uma placa para recordar uma das "maiores comédias britânicas".

O pacato René só queria ser um normal dono de café numa pequena vila francesa, Nouvion, e ter as suas aventuras amorosas. Mas, durante a Segunda Guerra Mundial, o seu café torna-se ponto de encontro entre soldados alemães ao mesmo tempo que René se vê envolvido em esquemas da Resistência. René terá que ajudar os alemães a esconder um quadro roubado mas também dará abrigo a um piloto inglês. Era assim Alô Alô, a série de comédia da BBC que esteve no ar entre 1982 e 1992 no Reino Unido (em Portugal estreou em 1986).

Apesar de a localidade de Nouvion existir mesmo e se situar a sul de Calais, no norte de França, nenhuma das cenas foi lá filmada. E agora a British Comedy Society (BCS) vai inaugurar uma placa no pátio de Lynford Hall, uma casa de campo em Mundford, Norfolk, onde foram gravadas as cenas no exterior do café de René. A cerimónia vai realizar-se a 7 de setembro.

Será um momento para recordar uma das "maiores comédias britânicas", afirmou Aaron Brown, diretor da BCS, citado pela BBC. Alô Alô "foi um enorme sucesso no Reino Unido e internacionalmente. Esteve em exibição durante nove temporadas e dez anos, o dobro da duração da guerra", comentou.

Para as gravações, o pátio da casa de campo foi transformado numa praça. Como curiosidade, diga-se que durante a Segunda Guerra Mundial a casa foi usada como hospital. Em 1970, a propriedade foi comprada por Gerald F. Rand que, para a rentabilizar, a alugou várias vezes para filmagens da BBC. Além de Alô Alô, foram ali gravadas cenas de Dad's Army e Young Rang, M'Lord, por exemplo. Lynford Hall é atualmente um hotel de luxo.

Na cerimónia estão previstas as presenças de alguns dos atores da série, como Vicki Michelle (que fazia o papel da fogosa empregada do café Yvette), Kim Hartman (a alemã Helga), Guy Finer (que interpretava o alemão Gruber), Kirsten Cooke (a resistente Michelle "ouçam com atenção, vou dizer isto só uma vez"), Richard Gibson (o temível Herr Flick, da Gestapo), Francesca Gonshaw (Maria, uma das empregadas do café), John D. Collins (Fairfax, o piloto inglês), Arthur Bostrom (que interpretava Crabtree, o polícia de sotaque esquisito) e Sue Hodge (a outra empregada do café, Mimi).

O ator Gorden Kaye, que interpretava o papel de René, morreu em 2017, e Carmen Silvera, que fazia a sua mulher, Edith, também já tinha morrido em 2002.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.