New Order vêm ao festival de Paredes de Coura

A banda britânica vai ser um dos cabeças-de-cartaz do festival minhoto. O anúncio será feito ainda hoje.

São uma das bandas mais desejadas da temporada de festivais de música do próximo ano e depois de muita especulação e jogadas de bastidores, que os chegaram a dar como quase certos noutros palcos, os New Order estão garantidos em Paredes de Coura.

O anúncio será feito ainda hoje, segundo confirmou ao DN João Carvalho, da empresa Ritmos, que há mais de 25 anos organiza este festival. "É uma aquisição de luxo, porque os New Order não tocam assim tanto ao vivo e são muito criteriosos nos festivais que escolhem. Estamos muitos satisfeitos, mas não nos vamos ficar por aqui. Queremos fazer uma edição memorável e no início do ano vamos apresentar mais alguns nomes de peso".

Fundados das cinzas dos lendários Joy Division, os New Order conseguiram superar a morte do vocalista Ian Curtis, reinventando-se como uma das mais influentes e aclamadas bandas eletrónicas dos anos 80. O ponto de viragem deu-se com o icónico single Blue Monday, lançado em março de 1983, apenas dois meses antes do segundo álbum Power, Corruption & Lies, que cortou de vez com o legado "sombrio" dos Joy Division. Já sem o baixista original Peter Hook, a banda regressou aos palcos em 2011 e aos discos dois anos depois, com Lost Sirens.

O último álbum de originais (o décimo da sua discografia) chama-se Music Complete e foi editado em 2015. Os New Order atuam na Praia Fluvial do Taboão no segundo dia do festival Paredes de Coura, que se realiza entre os dias 14 e 17 de agosto e tem já confirmados, além do grupo de Manchester, nomes como The National, Father John Misty, Car Seat Head Rest, Kamaal Williams, Boy Pblo e Acid Arab. Os passes gerais para os quatro dias de festival podem ser adquiridos pelo preço de 90€.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.