Morre Peter Fonda, ícone da contracultura. Família pede brinde à liberdade

O ator Peter Fonda, imortalizado no filme Easy Rider, morreu aos 79 anos.

Peter Fonda morreu na sexta-feira aos 79 anos devido a insuficiência respiratória por cancro do pulmão, disse a sua família em comunicado. "É com profunda tristeza que partilhamos a notícia de que Peter Fonda faleceu", disse a família. Peter Fonda é filho da estrela Henry Fonda, irmão da atriz e guru do exercício físico Jane Fonda, e pai da atriz Bridget Fonda. Era casado com Margaret DeVogelaere (o seu terceiro matrimónio) e tem um filho, Justin.

Fonda morreu "de forma pacífica" em sua casa em Los Angeles na sexta-feira de manhã, de acordo com o comunicado. "Enquanto lamentamos a perda deste homem doce e gracioso, também desejamos que todos celebrem o seu espírito indomável e o seu amor pela vida", disse a família.
"Em honra de Peter, por favor, erga um copo à liberdade", lê-se no comunicado.

Peter Fonda foi nomeado para os Óscares pelo argumento original em Easy Rider e pelo seu trabalho como ator principal em Laços de ouro (Ulee's gold, de 1997), no qual representou o papel de um veterano do Vietname convertido em apicultor.

A morte de Fonda acontece no ano do 50.º aniversário do lançamento de Easy Rider, estreado em 14 de Julho de 1969, e em Portugal no ano seguinte. A data será comemorada com uma projeção no dia 20 de setembro no Radio City Music Hall de Nova Iorque. O filme, que foi protagonizado por Fonda, Jack Nicholson e Dennis Hopper (e realizado por este), será exibido em sincronia com uma interpretação ao vivo da banda sonora. Sob a direção musicla de T Bone Burnett, deve atuar John Kay, dos Steppenwolf, para o tema Born To Be Wild, e Roger McGuinn, dos The Byrds, entre outros.

Easy Rider é a história de dois motociclistas que descobrem uma América em plena revolução cultural, quando duas gerações se chocaram sobre os costumes e os valores. Pelo caminho, George (Jack Nicholson) junta-se a Wyatt (Fonda), montado na moto Capitão América, e a Billy (Hopper). O filme de baixo orçamento, produzido com 380 mil dólares, foi um sucesso.

Peter Fonda nasceu em Nova Iorque em fevereiro de 1939, filho de Henry e Frances Fonda. A sua relação com o pai foi problemática, tendo vivido em colégios internos.

A sua carreira começou na Broadway, em 1961, e dois anos depois deu o salto para o cinema, na comédia Tammy e o Doutor, com Sandra Dee. Mas a sua imagem ficaria para sempre associada a Easy Rider e ao filme escrito por jack Nicholson e realizado por Roger Corman The Trip (que em Portugal estreou sob o nome Os Hippies, mais de dez anos depois), sobre o LSD.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...