Mick Jagger está de volta ao cinema e vai fechar o Festival de Veneza

O músico interpreta um colecionar de arte no filme "The Burnt Orange Heresy". O Festival de Veneza realiza-se de 28 de agosto a 7 de setembro.

O vocalista dos Rolling Stone, Mick Jagger, interpreta o papel de um poderoso colecionador e negociante de arte em The Burnt Orange Heresy , o filme que vai encerrar o próximo Festival de Veneza, a 7 de setembro. Realizado pelo italiano Giuseppe Capotondi, mas falado em inglês, o filme conta ainda com a participação de Donald Sutherland.

O filme é baseado no livro de Charles Willeford, de 1971. "A heresia da laranja queimada", em tradução livre, é um "erótico e elegante thriller neo-noir de Capotondi", como refere a sinopse divulgada pela organização do festival, que relata a história de James Figueras (interpretação de Claes Bang), crítico italiano de arte, que se relaciona com a "provocadora e sedutora americana" Benerice Hollis (Elizabeth Debicki). O casal visita Joseph Cassidy, o colecionador de arte interpretado por Jagger, na sua casa no Lago de Como, em Itália, e este revela-lhes que é o patrono do pintor Jerome Debney, "o recluso J.D . Salinger do mundo da arte" (que é Sutherland). E faz-lhes um estranho pedido: que eles roubem uma das obras de arte do seu atelier, custe o que custar. "James, um homem de profunda ambição, fará o que for necessário, desde incêndios criminosos e assaltos a assassinatos, para promover a sua carreira", lê-se na sinopse.

O "ator" Mick Jagger

Jagger terminou a rodagem de The Burnt Orange Heresy antes de ser operado ao coração, em abril. Aos 75 anos (faz 76 na próxima sexta-feira), Mick Jagger regressa, assim, ao cinema. O músico já participou em vários filmes mas nunca com grande sucesso. A última vez que o vimos no grande ecrã foi numa breve aparição como funcionário de um banco em The Bank Job (O Golpe de Baker Street, 2008, realizado por Roger Donaldson).

A última vez que representou um papel foi em The Man from Eysian Fields (Homem de Aluguer, 2001, de George Hickenlooper): aqui interpretou Luther, o diretor de uma agência de acompanhantes, e contracenou com Andy Garcia, Anjelica Houston e James Coburn.

O seu primeiro papel importante no cinema foi em Performance (1970, realizado por Donald Cammel e Nicolas Reog).

Também em 1970, foi o protagonista da comédia Ned Kelly (de Tony Richardson).

Entre os filmes em que já participou como ator, talvez o mais conhecido seja Freejack (Corrida Contra o Futuro, 1992, de Geoff Murphy).

A Verdade na abertura de Veneza

O realizador italiano Giuseppe Capotondi, diretor de anúncios publicitários para marcas como a BMW e a Costa Cruises, tem trabalhado na produção e direção de séries de televisão, como a de espionagem Berlin Station e Suburra, sobre o crime organizado, ambas produzidas pela Netflix. Dirigiu também episódios de produções britânicas, como Nocturne, da série Endeavour, da ITV, exibida em Portugal, que coloca o jovem inspetor Morse a investigar um crime num colégio feminino. A primeira longa-metragem de Giuseppe Capotondi, The Double Hour (A Hora Dupla), estreou-se em 2009, na 66.ª edição do Festival de Cinema de Veneza, e foi exibida em Portugal alguns meses depois, na Festa do Cinema Italiano.

La Verité (A Verdade), realizado pelo japonês Hirokazu Kore-eda (o mesmo de Shoplifters, que esteve nomeado ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro), será o filme de abertura do festival. A 76.ª edição do Festival Internacional de Cinema de Veneza, organizado pela Bienal de Veneza, vai decorrer de 28 de agosto a 7 de setembro. A programação completa será anunciada na quinta-feira.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG