Mariza anuncia duas datas em março para concertos nos coliseus de Lisboa e Porto

Mariza foi distinguida, em novembro passado, como Mestre da Música Mediterrânica, pela Universidade de Berklee, em Boston, nos Estados Unidos.

A fadista Mariza atua nos dias 14 e 17 de março próximo, no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, e no Coliseu do Porto, respetivamente, foi hoje anunciado.

Mariza "recentemente esgotou quatro coliseus -- dois no Porto e dois em Lisboa - e, dada a elevada procura de bilhetes, anuncia estas novas duas datas nestas cidades", segundo comunicado da sua promotora enviado à agência Lusa.

Neste espetáculo, a criadora de "Ó Gente da Minha Terra" (Amália Rodrigues / Tiago Machado) "vai apresentar o seu sétimo disco de estúdio, que foi nomeado para os Grammy Latinos 2018", na categoria de "Best Portuguese Language Roots Album", segundo a promotora, que realça que o 'single' "Quem Me Dera" (Matias Damásio) "contabiliza perto de dez milhões de visualizações", na plataforma digital de vídeos YouTube.

Nos dois palcos, Mariza vai ser acompanhada pelos músicos José Manuel Neto, na guitarra portuguesa, Pedro Jóia, na viola, Yami Aloelela, na viola baixo, Hugo Marques 'Vicky', na bateria, e João Frade, no acordeão.

A criadora de "Cavaleiro Monge" (Fernando Pessoa / Mário Pacheco) efetua atualmente uma digressão europeia, com fim previsto para 13 de dezembro, em Lucerna, na Suíça.

Dois dias depois, Mariza deverá atuar no Pavilhão Multiúsos, em Guimarães, no Minho.

Mariza foi distinguida, em novembro passado, como Mestre da Música Mediterrânica, pela Universidade de Berklee, em Boston, nos Estados Unidos.

Referindo-se ao álbum "Mariza", em declarações à Lusa, em junho, a intérprete afirmou: "Isto é o que sinto vontade de fazer neste momento, e só consigo funcionar assim".

O álbum, que chegou a estar previsto intitular-se "Fado Bailado", sucede ao CD "Mundo", editado em outubro de 2015, e que marcou o regresso de Mariza a estúdio, cinco anos depois de "Fado Tradicional" (2010).

Mariza estreou-se discograficamente em 2001, com o álbum "Fado em Mim", no qual gravou temas de Tiago Machado e Jorge Fernando, e resgatou do repertório fadista "Loucura", "Maria Lisboa" e "Há Festa na Mouraria", entre outros.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.