Maria Rueff agradece à filha ter-lhe salvo a vida

Foi a adolescente quem ligou para o INEM e acompanhou a mãe ao hospital. "Eu a mãe/adulta insegura, ela a filha com apenas 15 anos, cheia de maturidade", lê-se no relato emocionado da atriz no Instagram.

Depois de ter sofrido um enfarte de miocárdio, na última terça-feira, e de ter sido submetida a uma angioplastia coronária, a humorista,que já se encontra fora de perigo, partilhou um post no Instagram onde agradece à sua filha - Laura Rueff, de 15 anos - ter-lhe salvo "literalmente a vida". "Desde que nasceu que o meu coração lhe pertence, mas o que nunca pensei é que tivesse de ser ela a tratar dele", escreveu a atriz.

"Desde que nasceu que o meu coração lhe pertence, mas o que nunca pensei é que tivesse de ser ela a tratar dele", começa por escrever Rueff, que depois conta como todo o episódio do enfarte que sofreu se desenrolou.

"Na verdade, quando os primeiros sintomas de enfarte começaram, foi esta minha pequena/grande heroína, que ligou para o 112, explicou a situação, foi comigo na ambulância do INEM, sempre de mão dada na minha, para que eu não tivesse medo", conta.

"Eu a mãe/ adulta insegura, ela a filha com apenas 15 anos, cheia de maturidade ( como a vida inverte por vezes os papéis!....) Esperou nas urgências em São José, com a maior serenidade, pelo eletrocardiograma que confirmaria o pior: enfarte agudo do miocárdio. Nunca desanimando, viu que me transferiam para Santa Marta, onde desentupiria a coronária direita, acreditando sempre que eu sairia refeita do cateterismo. Sempre com um sorriso na cara, como se no fundo soubesse desde a primeira hora que o desfecho só podia ser feliz, talvez porque seja a única que me conhece por dentro, Afinal os nossos corações bateram juntos muito tempo...conhece-lhe muito bem a mecânica", lê-se ainda no relato.

"Nem por um segundo deixou que me sentisse sozinha, chamou para ao pé de nós família e amigos. Nem por um segundo me olhou sem ser com compaixão e ternura. Não falhou a um único pedido meu."

Em conclusão, Maria Rueff deixou ainda uma dedicatória à adolescente: "Agora que este meu coração irriga melhor, que seja só para te dar ainda mais AMOR, que tanto mereces, minha doce filha Laura".

Herman visitou a "invejosa" Rueff no hospital

Herman José, colega de profissão e amigo, visitou na quarta-feira à noite Maria Rueff, e, apesar de brincar com o acontecimento, tranquilizou os portugueses ao mostrar que a atriz já estava fora de perigo. O vídeo do momento foi partilhado no Instagram.

"Estou aqui com a Maria para vos dizer que ela como é uma invejosa e eu há uns anos entupi a coronária esquerda ela quis entupir a direita", diz o humorista num vídeo que publicou no seu Instagram, dizendo que Rueff tem uma vantagem porque "lhe meteram um stent muito mais moderno que o meu".

"Viva o Serviço Nacional de Saúde", afirmou ainda Herman José, dizendo também que na "segunda-feira voltamos ao trabalho e vão ter que levar connosco até 2052".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...