Mapplethorpe: Grupo parlamentar do PS quer ir a Serralves à procura de respostas

O grupo parlamentar do PS vai propor à comissão de Cultura uma visita à exposição do fotógrafo norte-americano Robert Mapplethorpe, e uma reunião com a administração da Fundação de Serralves

O grupo parlamentar do PS entrega nesta terça-feira um requerimento à comissão de Cultura pedindo não só uma audição ao diretor demissionário do Museu de Serralves, João Ribas, e à administração da fundação, como o agendamento de uma visita por parte dos deputados da comissão à exposição que está no centro da polémica: Robert Mapplethorpe: Pictures.

"Parece-nos que nos cabe a nós não só dessacralizar a obra como perceber exatamente o que é que lá está. Existem 20 obras de Robert Mapplethorpe que estão resguardadas. Nós queremos vê-las", explica ao DN a deputada socialista Carla Sousa. Em causa estão 20 obras que inicialmente fariam parte da mostra antológica do artista americano (1946-1989), que incluía 179 obras. Todavia, Pictures acabou por abrir portas ao público na última sexta-feira com menos 20 obras, que ainda não foram vistas.

Em comunicado, a administração de Serralves afirmou que "não retirou nenhuma obra da exposição" e que as que a compõem foram "todas elas escolhidas pelo curador", João Ribas. O curador e também diretor artístico do museu, agora demissionário, anunciou ao Público a sua demissão depois da inauguração da mostra sem apresentar outra justificação além da ausência de condições para continuar a exercer as suas funções.

Segundo Isabel Pires de Lima, da administração, Serralves também não percebeu por que é João Ribas "excluiu 20 obras" da exposição. "Até nos preocupa um pouco porque pagámos o custo de mais 20 obras que não foram usadas", afirmou.

João Ribas deixa assim por responder se foi ou não o responsável pela ausência dessas obras. Outra das questões que o seu silêncio deixa em aberto, nota a deputada Carla Sousa, é a da sala com cerca de 30 obras de Mapplethorpe cuja entrada está reservada a maiores de 18 anos e só admite menores acompanhados por um adulto. João Ribas tinha dito anteriormente ao Público que nesta retrospetiva não haveria "censura, obras tapadas, salas especiais ou qualquer tipo de restrição a visitantes de acordo com a faixa etária". A administração, por sua vez, afirma que esta sala reservada sempre esteve prevista na exposição. Recorde-se ainda que João Ribas esteve presente na inauguração da exposição.

O presidente da Fundação Mapplethorpe, Michael Ward Stout, admitiu que as fotografias "mais desafiantes estão presentes" no museu e que João Ribas "apenas removeu duas". "Não sei porque é que o João retirou as fotografias, não faz sentido nenhum. Não sei porque o fez, e porque o fez desta forma", acrescentou, criticando a forma como Ribas se demitiu.

"Não concordamos com a proibição. Ponto. Nós somos contra qualquer forma de censura. [Mas] não sabemos se essa censura existiu. Depende se foi um ato de curadoria. No fundo é isso que estamos a discutir. É importante que o doutor João Ribas nos dê dados mais concretos. Um ato de curadoria implica que há uma responsabilidade do curador perante essa escolha. Outra coisa é se isto foi uma imposição. São coisas diferentes, pelo princípio. Nós não sabemos. Há muitas notícias sobre isso mas nós não temos informação vinda do João Ribas."

Carla Sousa congratula-se com o facto de a Fundação de Serralves ter alterado a proibição que impedia a entrada de menores de 18, ainda que acompanhados de um adulto, na sala reservada onde estão representadas, entre outros, práticas sadomasoquistas. Essa foi alterada para uma proibição que se estende apenas até aos menores não acompanhados. "As pessoas são cidadãos e têm de ser responsáveis. Caberá a cada um determinar se quer levar as suas crianças a esta ou àquela sala", defendeu ao DN.

"Acho que é melhor termos conhecimento da exposição", conclui a deputada socialista, acrescentando que "era ótimo que tivéssemos uma reunia com a administração lá."

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?