Porque foi chumbado o projeto para acabar com as corridas de toiros?

De João Soares a Elísio Summavielle ou Vera Jardim, dos mais jovens aos mais velhos, mais ou menos aficionados, todos defendem a liberdade de escolha cultural

O projeto apoiado pelo PAN, PEV e BE para pôr fim às corridas de toiros em Portugal foi chumbado hoje com uma esmagadora de votos contra, no Parlamento. Em causa está a "defesa da cultura e da liberdade de escolha", explicam algumas figuras relevantes.

O chumbo é justificado pela tradição enraizada em todo o país de um espetáculo que tem uma forte marca identitária portuguesa - na exclusiva presença dos forcados, por exemplo. Por um Portugal "que não se renda à uniformização cultural do país" e saiba defender os seus "valores culturais" e acima de tudo a liberdade dos portugueses, o projeto anti-taurino ficou pelo caminho.

Veja aqui os argumentos em defesa das corridas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.