Já se vendem tantos livros online como em lojas nos EUA

2017 foi ano em que o número de livros vendidos pela Internet igualou o número de exemplares vendidos em lojas físicas.

As vendas de livros na Internet nos EUA igualaram pela primeira vez em 2017 as realizadas em pontos de venda físicos, segundo os números divulgados na sexta-feira pela Associação dos Editores Norte-Americanos (AAP, na sigla em inglês).

As vendas realizadas pelos editores através da Internet atingiram os 7,5 mil milhões de dólares (6,4 mil milhões de euros), contra 7,6 mil milhões faturadas nas vendas 'ao vivo'.

Em 2016, as vendas presenciais ainda excediam as feitas em linha (Internet), com 7,95 mil milhões contra 7,13 mil milhões.

No total, foram vendidos 2,72 mil milhões de livros nos EUA em 2017, número que perto do ano anterior (2,71 mil milhões).

Globalmente, o mercado foi apoiado pelo crescimento do livro áudio, cujas vendas aumentaram 28,8%, em relação ao ano anterior, para 820 milhões de dólares.

Em relação aos géneros mais procurados, destacaram-se a não-ficção para adultos, a literatura juvenil e a ficção para jovens adultos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.