Uma música por dia: The Beatles, "Eleanor Rigby"

Em agosto de 1966, os Beatles fizeram a sua terceira digressão nos EUA. A última da sua carreira.

Para os Beatles, agosto significava América. Foi assim em 1964, o ano da "invasão britânica". Foi assim em 1965, o ano de Help! e da consolidação do sucesso. E foi assim em 1966, o agosto de todas as polémicas, como aquela em que John Lennon insinuou que os Beatles era mais populares do que Jesus Cristo. De 12 a 29 de agosto, o grupo apresentou a sua terceira digressão na América do Norte que (eles não o sabiam na altura mas) haveria de ser a sua última digressão. Com 17 concertos nos Estados Unidos e dois no Canadá, o grupo trazia na bagagem o recém-lançado Revolver.

As muitas histórias das digressões estão excelentemente contadas no documentário The Beatles: Eight Days a Week - The Touring Years, que Ron Howard lançou em 2016.

Se quisermos uma música que sirva como memória desses dias, podemos escolher Eleanor Rigby. De autoria de Lennon e McCartney e incluída no álbum Revolver, Eleanor Rigby é exatamente o oposto do caos e do ruído que os Beatles viveram nessa conturbada digressão americana. Na gravação, Paul, John, George e Ringo contaram com a participação de um ensemble de cordas que faz toda a diferença. Dois anos depois, o tema iria também aparecer no filme de animação Yellow Submarine.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.