Uma história de amor em tempo de revolução e de guerra

"Alva", de Miguel Urbano Rodrigues, é a sugestão de leitura de verão de João Oliveira, líder parlamentar do PCP.

O romance é "marcante", diz o deputado comunista. A história é de amor "entre a Ásia e a América Latina, entre duas personagens com contextos e perspetivas de vida muito diferentes que constroem a sua relação de amor em cenários de revolução social e de guerra, com períodos de longa separação em que idealizam o seu amor, com os excessos que lhe são próprios, e antecipam a intensidade do reencontro".

João Oliveira afirma que, ao longo do caminho, a partir do posicionamento das personagens ou a propósito da história mais distante ou mais recente dos povos e dos países em que a sua relação se vai desenvolvendo, "surgem elementos sociais e políticos que nos colocam a todos (personagens e leitores) a refletir sobre o mundo que temos à nossa volta".

A história escrita por Miguel Urbano Rodrigues mostra, garante o líder do grupo parlamentar do PCP, que nas "relações humanas importa mais a viagem do que o seu desfecho". "A escrita de Miguel Urbano Rodrigues prende-nos ao desenrolar da história e torna fácil revermo-nos nas alegrias, desejos e angústias das personagens, não apenas quanto à sua própria relação mas também quanto ao mundo que as rodeia".

Miguel Urbano Rodrigues, alentejano, nascido em 1925, foi durante grande parte da sua vida jornalista. Foi redator do Diário de Notícias de 1949 a 1956, chefe de redação do Diário Ilustrado, editorialista principal d'O Estado de São Paulo, no Brasil, e chefe de redação do jornal oficial do PCP, Avante! Irmão do escritor Urbano Tavares Rodrigues, morreu o ano passado, aos 91 anos e deixou mais de uma dezenas de livros publicados em Portugal e no Brasil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?