Um livro sobre baldios, um direito que se perde

Obra jurídica do advogado João Carlos Gralheiro é apresentada na quinta-feira, em Vila Real

Em 1958, a polícia política, PIDE, passou um mandado de captura a Aquilino Ribeiro. A causa: o livro que ele acabara de publicar, Quando os Lobos Uivam, que foi proibido e teve todos os exemplares apreendidos. O romance era uma defesa apaixonada dos baldios.

Essa forma comunitária da posse da terra tem legislação própria, que foi atualizada com a democracia - "Baldio", "Comunidade local", "Compartes"... Na quinta-feira, 26 de julho, às 17:30h, no Auditório da Biblioteca Municipal, em Vila Real, e com apresentação de Fernando Oliveira Batista, professor do Instituto Superior de Agronomia, será lançado o livro Dos Baldios, até à Lei 75/2017, de 17 de agosto, da autoria do advogado João Carlos Gralheiro.

O livro, editado pela Edições Esgotadas e patrocinado pela Federação Nacional dos Baldios, é uma obra jurídica. No romance Quando os Lobos Uivam narrava-se como em finais da década de 1940, o "senhor engenheiro Lisuarte Streit da Fonseca", funcionário do Serviços Florestais, iludia os aldeões com a riqueza que lhes traria a plantação dos pinhais se eles cedessem as suas terras comunitárias: "Dentro de vinte, trinta anos, a região, que é pobre, com o trabalho do pinhal, derrubadas, serrações, gemagem, transportes e alimpas, terá aqui uma fonte apreciável de receitas e a ocupação certa de muitos braços..."

70 anos depois dessa vigarice e 60 depois do aviso de Aquilino Ribeiro (e dos seu permanente amor pelas palavras, até pelas que vão desaparecendo de uso, como aquela "alimpas"), um livro sobre leis lembra que há um arsenal jurídico que defende melhor os direitos dos cidadãos. A questão é saber se o povo conhece esse arsenal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.