Um dia para entrar no Jardim, e no Palácio de Queluz, sem pagar

Comemorando a atribuição do Prémio Europa Nostra ao jardim botânico, o Palácio Nacional de Queluz vai estar aberto gratuitamente durante um dia

O Palácio de Queluz e os Jardins estarão abertos ao público, gratuitamente, no sábado, dia 7, assinalando a atribuição do prémio Europa Nostra à recuperação do jardim botânico deste monumento nacional.

O programa inclui visitas encenadas ao Jardim Botânico, teatro de marionetas no Canal dos Azulejos, jogos de corte com personagens de época, passeios de charrete e volteio de burro, de acordo com um comunicado da Parques de Sintra, a entidade que gere o Palácio Nacional de Queluz e os seus jardins. No auditório vai passar um filme de animação sobre o Jardim Botânico.

A animação acontece às 10.00, 12.00, 14.00 e 17.00.

O Jardim Botânico recebeu os prémios Europa Nostra 2018 nas de Conservação e Escolha do Público, no dia 15 de junho. Foram distinguidos 29 vencedores de 17 países nas categorias de conservação, investigação, serviço dedicado e educação, formação e sensibilização, atribuídos por um júri de especialistas.

"Este projeto foi bem-sucedido na redescoberta e recuperação de um jardim que se pensava perdido. Para isso recorreu-se a investigação arqueológica, à análise dos fragmentos restantes do jardim e da documentação existente", sublinhou o júri do Prémio Europa Nostra, citado no comunicado da Parques de Sintra.

Construído entre 1769 e 1780, o Jardim Botânico de Queluz servia para entreter e educar os príncipes. Cheias e outros fenómenos naturais foram castigando o Jardim Botânico. Em 1940 foi transformado num roseiral e em 1984, na sequências das cheias do ano anterior, foi desmontado. As pedras ficaram espalhadas aleatoriamente pelo jardim enquanto o espaço servia de picadeiro à Escola Portuguesa e de Arte Equestre.

Do projeto de reabilitação consta a recuperação do Index de Manuel de Moraes Soares, de 1789, que reúne as espécies existentes na época no jardim. Dentro das estufas foram plantados ananases, como na época.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.