Um copo Starbucks no último episódio de "A Guerra dos Tronos"

Não só o inverno, mas também o café chegou a Winterfell. Este artigo contém spoilers para quem ainda não viu o quarto episódio da oitava temporada de "A Guerra dos Tronos".

O último episódio de A Guerra dos Tronos contou com um convidado inesperado, um copo de café da Starbucks.

Depois de queimar os mortos chegou à altura de celebrar os vivos. Em Winterfell celebrou-se com um banquete, que além de incluir cálices de vinho e cornos de cerveja, incluiu também o que aparenta ser um copo de café da Starbucks.

Só não se sabe se terá sido completamente acidental ou propositado, para dar (mais ainda) tema de discussão para os fãs. Não seria a primeira vez, os produtores da série chocaram a sua audiência quando na terceira temporada acabaram o episódio "Walk of Punishment" com uma música de rock fora de contexto.

As reações dos fãs estão a espalhar-se pelas redes sociais.

Num mundo que desafia o imaginário dos fãs, o copo de café da Starbucks foi um deslize que não caiu bem. Para além de fazerem piadas com a situação, os fãs utilizaram este exemplo para criticarem a falta de qualidade e de atenção da última temporada.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?