U2 forçados a acabar concerto após Bono ter perdido a voz

Desde o início do espetáculo, Bono mostrou estar em dificuldades

A banda irlandesa U2 foi forçada a interromper um concerto no sábado à noite, em Berlim, ao cabo de apenas algumas canções, depois de o seu vocalista, Bono, ter perdido subitamente a voz.

"Lamentamos profundamente a anulação do concerto desta noite. Bono estava em plena forma e a sua voz em excelentes condições antes do espetáculo (...), mas, após algumas canções, ele sofreu uma perda completa de voz", indicou o grupo irlandês num comunicado publicado na página oficial.

Os U2 afirmam não compreender o que se terá passado com a voz do seu líder e vocalista, indicando que vão "consultar um médico".

O incidente ocorreu no segundo e último concerto em Berlim integrado na digressão europeia "eXPERIENCE + iNNOCENCE".

Desde o início do espetáculo, Bono mostrou estar em dificuldades com a voz, segundo a agência France Presse.

O cantor, de 58 anos, ainda parou para beber água mineral, mas não melhorou. Bono anunciou depois que não poderia prosseguir. Os espetadores deverão poder voltar a assistir a um concerto dos U2 em data a anunciar.

Na véspera do primeiro concerto em Berlim, Bono denunciou a violência perpetrada por grupos de extrema-direita em Chemnitz, na Alemanha. "Gente como esta não tem lugar na Europa nem neste país", comentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.