Textos inéditos de Hemingway escritos em 1956 vão ser publicados

Conto sobre a Segunda Guerra Mundial vai ser publicado pela primeira vez

Histórias da Segunda Guerra Mundial de Ernest Hemingway, escritas em 1956, vão ser publicadas pela primeira, anunciou esta aquinta-feira a revista britânica Strand Magazine.

De acordo com a revista, o conto A Room on the Garden Side vai ser publicado na edição de verão, nas bancas já na próxima semana.

A Room on the Garden Side baseia-se nas experiências de Hemingway como correspondente e combatente durante a Segunda Guerra Mundial. A história passa-se em Paris, no ano de 1944, logo após a cidade ter sido libertada da ocupação pelas tropas nazis.

"O profundo amor de Hemingway pela sua cidade favorita, à medida que está a sair do ocupação nazi, está aqui amplamente presente, bem como as marcas que distinguem a sua prosa", escreveu na nota editorial o editor executivo da Strand Andrew F. Gulli.

A história passa-se no Hotel Ritz, em Paris, e retrata os soldados cansados da guerra, mas com esperança no futuro, descreve ainda a publicação.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.