Super-heróis na variante de desenhos animados

Teen Titans Go! O Filme é mais uma produção destinada ao entretenimento ligeiro das famílias em época estival. Chega às salas portuguesas em versão dobrada

Do canal Cartoon Network para o grande ecrã. Eis o movimento ambicioso de uma série de animação cuja lógica episódica dos 11 minutos se vê agora esticada numa história com quase hora e meia. Lançada em 2013, Teen Titan Go! centra-se num grupo de adolescentes que, tentando salvar o mundo em divertidas situações, perdem sempre protagonismo para os membros da Liga da Justiça - Batman, Super-Homem, Mulher-Maravilha, Lanterna Verde, etc. -, que é como quem diz, a malta da pesada que de facto salva o dia. Estamos então do lado da DC Comics e com o combustível de algumas piadas sobre a clássica rivalidade com a Marvel, que dirá mais aos adultos que seguem as sagas de super-heróis do que propriamente às crianças (uma dessas piadas é o vulgar cameo de Stan Lee, o criador das personagens da Marvel, num filme do estúdio rival, pelo simples desejo de aparecer...).

Não é fácil aguentar a linguagem narrativa própria do cinema, mais exigente e menos concentrada, mas Teen Titans Go! O Filme (uma produção da Warner Bros. Animation) faz a tentativa, retratando precisamente o universo dos super-heróis... na indústria de Hollywood. E a ideia até tem interesse suficiente. Aqui, o grupo de adolescentes do título vai ao cinema ver o novo filme do Batman, e nessa ocasião um deles, Robin, expõe o imenso desejo de ter um filme dedicado à sua personalidade (duvidosamente) heroica. No entanto, uma vez que tudo o que este bando de miúdos faz é considerado ridículo - especialmente pelos super-heróis da Liga da Justiça - é preciso ultrapassar esse obstáculo. A solução para que sejam levados a sério é só uma: arranjar um arqui-inimigo.

Veja aqui o trailer:

Ora tudo se consegue, com uma boa dose de situações mais ou menos cómicas, que, sem grande prejuízo, revelam a incapacidade de se fazer cinema de animação como deve de ser, neste contexto. Na realidade, é a conhecida natureza episódica de Teen Titans Go! que vai funcionar com os mais pequeninos, facilmente atraídos pelo tom da ação anedótica. E há um proveito mínimo da paródia que se faz com a matéria, muitas vezes sisuda, do universo da DC Comics. Mas, na essência, estamos perante uma animação menor. Sobretudo quando o humor é insistentemente escatológico... Um pouco mais de criatividade não fazia mal a ninguém.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.