Super-heróis na variante de desenhos animados

Teen Titans Go! O Filme é mais uma produção destinada ao entretenimento ligeiro das famílias em época estival. Chega às salas portuguesas em versão dobrada

Do canal Cartoon Network para o grande ecrã. Eis o movimento ambicioso de uma série de animação cuja lógica episódica dos 11 minutos se vê agora esticada numa história com quase hora e meia. Lançada em 2013, Teen Titan Go! centra-se num grupo de adolescentes que, tentando salvar o mundo em divertidas situações, perdem sempre protagonismo para os membros da Liga da Justiça - Batman, Super-Homem, Mulher-Maravilha, Lanterna Verde, etc. -, que é como quem diz, a malta da pesada que de facto salva o dia. Estamos então do lado da DC Comics e com o combustível de algumas piadas sobre a clássica rivalidade com a Marvel, que dirá mais aos adultos que seguem as sagas de super-heróis do que propriamente às crianças (uma dessas piadas é o vulgar cameo de Stan Lee, o criador das personagens da Marvel, num filme do estúdio rival, pelo simples desejo de aparecer...).

Não é fácil aguentar a linguagem narrativa própria do cinema, mais exigente e menos concentrada, mas Teen Titans Go! O Filme (uma produção da Warner Bros. Animation) faz a tentativa, retratando precisamente o universo dos super-heróis... na indústria de Hollywood. E a ideia até tem interesse suficiente. Aqui, o grupo de adolescentes do título vai ao cinema ver o novo filme do Batman, e nessa ocasião um deles, Robin, expõe o imenso desejo de ter um filme dedicado à sua personalidade (duvidosamente) heroica. No entanto, uma vez que tudo o que este bando de miúdos faz é considerado ridículo - especialmente pelos super-heróis da Liga da Justiça - é preciso ultrapassar esse obstáculo. A solução para que sejam levados a sério é só uma: arranjar um arqui-inimigo.

Veja aqui o trailer:

Ora tudo se consegue, com uma boa dose de situações mais ou menos cómicas, que, sem grande prejuízo, revelam a incapacidade de se fazer cinema de animação como deve de ser, neste contexto. Na realidade, é a conhecida natureza episódica de Teen Titans Go! que vai funcionar com os mais pequeninos, facilmente atraídos pelo tom da ação anedótica. E há um proveito mínimo da paródia que se faz com a matéria, muitas vezes sisuda, do universo da DC Comics. Mas, na essência, estamos perante uma animação menor. Sobretudo quando o humor é insistentemente escatológico... Um pouco mais de criatividade não fazia mal a ninguém.

Ler mais

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.