Silêncio! Do silêncio faço um grito

Miguel Ortega Cláudio faz a crónica da corrida de quinta-feira, no Campo Pequeno, na qual foi homenageado o lendário matador espanhol Curro Romero

Começo esta minha crónica da corrida da passada quinta-feira, dia 5 de Julho, no Campo Pequeno, com enxerto da letra de um Fado escrito e cantado pela grande Amália: Silêncio! Do silêncio faço um grito...

Isto porque vi a corrida em silêncio e em silêncio assisti ao que se passou na arena da capital do País e o que se passou tem que nos fazer refletir a todos!

Em silêncio vi sair à arena um primeiro toiro com o ferro de David Ribeiro Telles, de pouco trapio e mal visto... Em silêncio vi um segundo toiro, alto, com cara, com pouco pescoço, que iniciava bem o muletazo mas terminava o mesmo por alto desluzindo muito a sua forma de investir. Em silêncio vi um berrendo em negro indigno de apresentação e de afeitado, há bitolas... Em silêncio vi outro toiro de Ribeiro Telles, grande, suave e nobre. Em silêncio vi o bonito quinto ter menos "gasolina" dentro que um carro na reserva... Em silêncio vi o sexto animal que me deu vergonha só de o ver sair pela porta dos curros da principal praça do país... Senhores diretores e veterinários as rezes bravas podem e devem ser reprovadas no reconhecimento por falta de trapio! Em silêncio vi sair o sobrero oferecido pela empresa mas que pouco veio acrescentar à corrida.

Em silêncio vi e ouvi a monumental vaia que o respeitável publico deu à saída do sexto toiro, nunca na minha vida tinha visto e ouvido coisa assim... Em silêncio vi como as expectativas dos presentes se esvaíam a cada, lance, a cada passe, a cada ferro, a cada pega.

Em silêncio pensei que o que se passou ontem no Campo Pequeno não se pode voltar a passar, mesmo que venha cá vir tourear o "Rei de Marrocos", da Puebla, de Alicante, ou do raio que o...

Em silêncio pensei quem serão os culpados de tamanho "desastre"?

O Campo Pequeno porque comprou aqueles novilhos, o ganadero que os enviou, os veedores dos toureiros, bons esses se os deixam mandar muito dá este resultado... O Veterinário que os aprovou, o diretor de corrida que lhes deu a bênção, os toureiros que se deixam anunciar com aquilo.

São todos culpados... mas só vi uns virem dar o corpo as balas, o Campo Pequeno na pessoa do Sr. Rui Bento Vasquez e os outros?

Bom os outros um estará a pensar na próxima campanha publicitária que irá fazer certamente com a "mesinha de cabeceira" do falecido génio Joselito "El Gallo" e o outro estará a desfrutar da sua família no mediterrâneo, ou a tirar fotos e selfies numa localidade qualquer perto de si. O diretor de corrida dirá que os toiros foram aprovados pelo veterinário e o veterinário dirá que os toiros tinham os requisitos mínimos para saírem a Lisboa mas não tinham meus caros... Os veedores dirão que os toiros tinham um trapio impressionante no campo e que na praça, bom na praça... O ganadero dirá que mandou oito toiros e os toureiros escolheram aqueles... Aquilo foi um insulto aos que foram ontem a Lisboa comprar uma entrada para ver um "banho de arte" de bem tourear mas com novilhos assim é impossível.

Da corrida em si pouca coisa há que dizer, uma boa lide de João Ribeiro Telles ao quarto da noite em que a brega foi brilhante e os ferros tiveram emoção e aqueceram as bancadas. Que o Aposento da Chamusca teve uma passagem por Lisboa digna. Que houve uma média Verónica de Morante que me encheu as medidas e uma série de naturais que fizeram sonhar com uma noite para recordar. Um quite por chicuelinas rematado com "rodillla en tierra" para recordar de Manzanares. A prova de praticante de bandarilheiro de Pedro Noronha que deixou bons pares e certamente terá sido aprovado.

E... Uma homenagem ao maior génio do toureio vivo que deu Sevilha... Francisco Romero López, Curro Romero.

Dirigiu a corrida o Diretor Manuel Gama e foi veterinário o Dr. Moreira da Silva.

Síntese da corrida:

Toiros: de David Ribeiro Telles para a lide a cavalo, nobres e com som. Para a lide a pé de Paulo Caetano pobres de apresentação e trapio e vazios de bravura.

Cavaleiro: João Ribeiro Telles (Volta e Volta)

Matadores: Morante de la Puebla (Ovação e Silêncio); José Maria Manzanares (Palmas e Assobios)

Forcados: Amadores do Aposento da Chamusca - João Rui Salgueiro à primeira tentativa (Volta) e Francisco Andrade à quarta tentativa (Palmas).

*As voltas à arena no final das lides são concedidas pelo diretor de corrida como prémio à qualidade da performance artística dos intervenientes ou pela bravura dos toiros.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.