Silêncio! Do silêncio faço um grito

Miguel Ortega Cláudio faz a crónica da corrida de quinta-feira, no Campo Pequeno, na qual foi homenageado o lendário matador espanhol Curro Romero

Começo esta minha crónica da corrida da passada quinta-feira, dia 5 de Julho, no Campo Pequeno, com enxerto da letra de um Fado escrito e cantado pela grande Amália: Silêncio! Do silêncio faço um grito...

Isto porque vi a corrida em silêncio e em silêncio assisti ao que se passou na arena da capital do País e o que se passou tem que nos fazer refletir a todos!

Em silêncio vi sair à arena um primeiro toiro com o ferro de David Ribeiro Telles, de pouco trapio e mal visto... Em silêncio vi um segundo toiro, alto, com cara, com pouco pescoço, que iniciava bem o muletazo mas terminava o mesmo por alto desluzindo muito a sua forma de investir. Em silêncio vi um berrendo em negro indigno de apresentação e de afeitado, há bitolas... Em silêncio vi outro toiro de Ribeiro Telles, grande, suave e nobre. Em silêncio vi o bonito quinto ter menos "gasolina" dentro que um carro na reserva... Em silêncio vi o sexto animal que me deu vergonha só de o ver sair pela porta dos curros da principal praça do país... Senhores diretores e veterinários as rezes bravas podem e devem ser reprovadas no reconhecimento por falta de trapio! Em silêncio vi sair o sobrero oferecido pela empresa mas que pouco veio acrescentar à corrida.

Em silêncio vi e ouvi a monumental vaia que o respeitável publico deu à saída do sexto toiro, nunca na minha vida tinha visto e ouvido coisa assim... Em silêncio vi como as expectativas dos presentes se esvaíam a cada, lance, a cada passe, a cada ferro, a cada pega.

Em silêncio pensei que o que se passou ontem no Campo Pequeno não se pode voltar a passar, mesmo que venha cá vir tourear o "Rei de Marrocos", da Puebla, de Alicante, ou do raio que o...

Em silêncio pensei quem serão os culpados de tamanho "desastre"?

O Campo Pequeno porque comprou aqueles novilhos, o ganadero que os enviou, os veedores dos toureiros, bons esses se os deixam mandar muito dá este resultado... O Veterinário que os aprovou, o diretor de corrida que lhes deu a bênção, os toureiros que se deixam anunciar com aquilo.

São todos culpados... mas só vi uns virem dar o corpo as balas, o Campo Pequeno na pessoa do Sr. Rui Bento Vasquez e os outros?

Bom os outros um estará a pensar na próxima campanha publicitária que irá fazer certamente com a "mesinha de cabeceira" do falecido génio Joselito "El Gallo" e o outro estará a desfrutar da sua família no mediterrâneo, ou a tirar fotos e selfies numa localidade qualquer perto de si. O diretor de corrida dirá que os toiros foram aprovados pelo veterinário e o veterinário dirá que os toiros tinham os requisitos mínimos para saírem a Lisboa mas não tinham meus caros... Os veedores dirão que os toiros tinham um trapio impressionante no campo e que na praça, bom na praça... O ganadero dirá que mandou oito toiros e os toureiros escolheram aqueles... Aquilo foi um insulto aos que foram ontem a Lisboa comprar uma entrada para ver um "banho de arte" de bem tourear mas com novilhos assim é impossível.

Da corrida em si pouca coisa há que dizer, uma boa lide de João Ribeiro Telles ao quarto da noite em que a brega foi brilhante e os ferros tiveram emoção e aqueceram as bancadas. Que o Aposento da Chamusca teve uma passagem por Lisboa digna. Que houve uma média Verónica de Morante que me encheu as medidas e uma série de naturais que fizeram sonhar com uma noite para recordar. Um quite por chicuelinas rematado com "rodillla en tierra" para recordar de Manzanares. A prova de praticante de bandarilheiro de Pedro Noronha que deixou bons pares e certamente terá sido aprovado.

E... Uma homenagem ao maior génio do toureio vivo que deu Sevilha... Francisco Romero López, Curro Romero.

Dirigiu a corrida o Diretor Manuel Gama e foi veterinário o Dr. Moreira da Silva.

Síntese da corrida:

Toiros: de David Ribeiro Telles para a lide a cavalo, nobres e com som. Para a lide a pé de Paulo Caetano pobres de apresentação e trapio e vazios de bravura.

Cavaleiro: João Ribeiro Telles (Volta e Volta)

Matadores: Morante de la Puebla (Ovação e Silêncio); José Maria Manzanares (Palmas e Assobios)

Forcados: Amadores do Aposento da Chamusca - João Rui Salgueiro à primeira tentativa (Volta) e Francisco Andrade à quarta tentativa (Palmas).

*As voltas à arena no final das lides são concedidas pelo diretor de corrida como prémio à qualidade da performance artística dos intervenientes ou pela bravura dos toiros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.