SIC Notícias e SIC Internacional África voltam a ser emitidas em Angola

Transmissão dos dois canais portugueses foi interrompida em 2017 depois da difusão de reportagens com críticas ao regime de Luanda

A SIC Notícias e a SIC Internacional África voltaram esta segunda-feira a ser emitidos em Angola, através do operador Multichoice, após mais de um ano sem emissões neste país, anunciou a SIC.

"Depois de cerca de um ano e dois meses sem emissão neste país, estes dois canais da SIC voltam a ser exibidos", refere a estação de Carnaxide em comunicado.

No total, a SIC emite em Angola sete canais: SIC Notícias, SIC Radical, SIC Mulher, SIC K, SIC Caras, SIC Internacional África e DSTV Kids.

As emissões dos dois canais da SIC foram interrompidas no ano passado, alguns meses antes das eleições que marcaram o fim da presidência de José Eduardo dos Santos, com a eleição de João Lourenço como Presidente da República.

A SIC Internacional emitia em Angola desde agosto de 2000 e a SIC Notícias desde novembro de 2003.

No início de junho do ano passado, a operadora de televisão por subscrição Multichoice, através da plataforma internacional DStv, deixou de transmitir os canais SIC Notícias e SIC Internacional África em Angola.

Uma decisão que se seguiu à decisão tomada pela Zap, outra das duas operadoras generalistas em Angola, que, em 14 de março de 2017, tinha interrompido a difusão dos dois canais nos mercados de Angola e Moçambique, o que aconteceu depois de o canal português ter divulgado reportagens críticas ao regime de Luanda.

A Zap, que iniciou a sua atividade no mercado angolano em abril de 2010, é detida em 30% pela operadora portuguesa NOS, sendo o restante capital detido pela Sociedade de Investimentos e Participações, da empresária angolana Isabel dos Santos, filha do ex-chefe de Estado de Angola.

Em junho do ano passado, antes das eleições presidenciais angolanas, Isabel dos Santos escreveu que a SIC era "muito cara" e que a exclusão dos canais do grupo português Impresa era uma decisão comercial.

"A inconfessável ganância comercial do milionário Pinto Balsemão. Em Angola quer encaixar pela SIC um milhão de euros por ano. A comparar com a BBC, 33 mil euros por ano, ou a Al Jazeera, 66 mil euros por ano", escreveu, na altura, a empresária angolana nas redes sociais, salientando que a exclusão da transmissão daqueles dois canais era "comercial e não política".

As eleições em Angola decorreram em 23 de agosto, sendo que José Eduardo dos Santos, Presidente da República do país desde 1979, já não concorreu neste sufrágio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.