SIC Notícias e SIC Internacional África voltam a ser emitidas em Angola

Transmissão dos dois canais portugueses foi interrompida em 2017 depois da difusão de reportagens com críticas ao regime de Luanda

A SIC Notícias e a SIC Internacional África voltaram esta segunda-feira a ser emitidos em Angola, através do operador Multichoice, após mais de um ano sem emissões neste país, anunciou a SIC.

"Depois de cerca de um ano e dois meses sem emissão neste país, estes dois canais da SIC voltam a ser exibidos", refere a estação de Carnaxide em comunicado.

No total, a SIC emite em Angola sete canais: SIC Notícias, SIC Radical, SIC Mulher, SIC K, SIC Caras, SIC Internacional África e DSTV Kids.

As emissões dos dois canais da SIC foram interrompidas no ano passado, alguns meses antes das eleições que marcaram o fim da presidência de José Eduardo dos Santos, com a eleição de João Lourenço como Presidente da República.

A SIC Internacional emitia em Angola desde agosto de 2000 e a SIC Notícias desde novembro de 2003.

No início de junho do ano passado, a operadora de televisão por subscrição Multichoice, através da plataforma internacional DStv, deixou de transmitir os canais SIC Notícias e SIC Internacional África em Angola.

Uma decisão que se seguiu à decisão tomada pela Zap, outra das duas operadoras generalistas em Angola, que, em 14 de março de 2017, tinha interrompido a difusão dos dois canais nos mercados de Angola e Moçambique, o que aconteceu depois de o canal português ter divulgado reportagens críticas ao regime de Luanda.

A Zap, que iniciou a sua atividade no mercado angolano em abril de 2010, é detida em 30% pela operadora portuguesa NOS, sendo o restante capital detido pela Sociedade de Investimentos e Participações, da empresária angolana Isabel dos Santos, filha do ex-chefe de Estado de Angola.

Em junho do ano passado, antes das eleições presidenciais angolanas, Isabel dos Santos escreveu que a SIC era "muito cara" e que a exclusão dos canais do grupo português Impresa era uma decisão comercial.

"A inconfessável ganância comercial do milionário Pinto Balsemão. Em Angola quer encaixar pela SIC um milhão de euros por ano. A comparar com a BBC, 33 mil euros por ano, ou a Al Jazeera, 66 mil euros por ano", escreveu, na altura, a empresária angolana nas redes sociais, salientando que a exclusão da transmissão daqueles dois canais era "comercial e não política".

As eleições em Angola decorreram em 23 de agosto, sendo que José Eduardo dos Santos, Presidente da República do país desde 1979, já não concorreu neste sufrágio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.